LEPTOSPIROSE

leptospirose é primariamente uma zoonose. Acomete roedores e outros mamíferos silvestres e é um problema veterinário relevante, atingindo animais domésticos (cães, gatos) e outros de importância econômica (bois, cavalos, porcos, cabras, ovelhas). Esses animais, mesmo quando vacinados, podem tornar-se portadores assintomáticos e eliminar a L. interrogans junto com a urina.

leptospirose é uma doença infecciosa febril, aguda, potencialmente grave, causada por uma bactéria, a Leptospira interrogans. É uma zoonose(doença de animais) que ocorre  no mundo inteiro, exceto nas regiões polares. Em seres humanos, ocorre em pessoas de todas as idades e em ambos os sexos. Na maioria (90%) dos casos de leptospirose a evolução é benigna, quando tratada adequadamente.

Alguns animais atuam como portadores e transmitem as bactérias na sua urina. Outros ficam doentes e morrem. As pessoas contraem essas infecções diretamente através de animais infectados ou indiretamente através do solo ou água contaminados pela urina de um animal infectado. Continue lendo

O QUE É ESPOROTRICOSE?

A esporotricose é uma micose causada pelo fungo da espécie Sporothrix spp, que causa doenças especialmente em indivíduos que residem em países de clima tropical e subtropical.

O fungo Sporotrhix spp habita a natureza e está presente no solo, palha, vegetais, espinhos, madeira.  A esporotricose, em sua forma clássica, foi por muito tempo conhecida como “a doença do jardineiro”. Isso porque era comum acometer esses profissionais, assim como também agricultores ou outras profissões e indivíduos que tivessem contato durante atividades de lazer com plantas e solo em ambientes naturais onde o fungo estivesse presente.

A doença acomete várias espécies de animais silvestres e domésticos, principalmente o gato e o cachorro, além de atingir seres humanos.

Enquanto os cachorros adquirem uma forma de baixa virulência, semelhante a dos humanos, os gatos geralmente adquirem uma forma grave e disseminada da doença. Continue lendo

OUTRAS FORMAS DA FEBRE MACULOSA EM HUMANOS

Várias riquétsias, transmitidas por carrapatos, causam febres maculosas similares à febre maculosa comum. Elas causam uma pequena ulceração no local da picada do carrapato, inchando os linfonodos próximos, e uma erupção cutânea vermelha, sendo assim, bem semelhante a doença originalmente conhecida como Febre Maculosa.

As outras formas de febre maculosa incluem:

  • febre por picada de carrapato africano (tifo por carrapato africano)
  • febre maculosa do Mediterrâneo (febre botonosa)
  • riquetsiose transmitida por carrapato do norte asiático
  • tifo por carrapato de Queensland
  • Doença infecciosa leve por riquétsias
  • riquetsiose por Rickettsia parkeri

 

Da mesma forma que a Febre Maculosa,  as outras formas de  febre maculosa podem ocorrer em toda a América e em outros países. Essas infecções surgem principalmente na primavera e verão, quando os carrapatos adultos estão ativos e há mais probabilidade de as pessoas se encontrarem nas áreas infestadas por eles. Continue lendo

FEBRE MACULOSA EM HUMANOS

A febre maculosa é causada pela bactéria Rickettsia rickettsii. Riquétsias são um tipo de bactéria que consegue viver apenas dentro de células de outros organismos.

Esta doença pode ser chamada também de tifo exantemático, febre do carrapato, ou febre da carraça (Portugal).

A febre maculosa é uma doença que ocorre em todo o continente americano, acometendo países desde o Canadá até a Argentina. No Brasil, a maioria dos casos se na concentra na Região Sudeste, havendo também casos isolados em estados de outras regiões, tais como Bahia, Ceará, Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Distrito Federal, Goiás e Mato Grosso do Sul. São Paulo e Minas Gerais são os estados com maior número de casos notificados.

Apesar de ser uma doença tipicamente rural, nos últimos anos, o número de casos urbanos têm vindo a crescer. A doença não é muito comum, sendo responsável por cerca de 40 a 100 casos por ano em todo o país. Continue lendo

FEBRE AFTOSA EM HUMANOS

A Febre Aftosa é uma enfermidade infectocontagiosa aguda com potencial de transmissibilidade extremamente alto entre os animais susceptíveis, podendo, em cerca de uma semana ou menos, acometer a totalidade dos componentes de um rebanho afetado.

Produzida por um vírus da família Picornavirus, gênero Aphtovirus, que acomete animais biungulados domésticos e selvagens, como bovinos, suínos, bubalinos, ovinos e caprinos. É caracterizada por vesículas, também denominadas aftas, erosões e úlceras na mucosa oral, epitélio lingual, nasal, mamário, além de lesões características na região coronária dos cascos e nos espaços interdigitais.

A Febre Aftosa é considerada uma zoonose porque embora raramente o homem se infecte com a doença, é ele um hospedeiro acidental da mesma. Fato comprovado perante o reduzido número de casos descritos pelo mundo, mesmo perante frequentes oportunidades de exposição ao agente, a ampla distribuição geográfica e à alta incidência da enfermidade nos animais domésticos. Continue lendo

EQUINOCOCOSE – HIDATIDOSE HUMANA

A Equinococose, também conhecida como Hidatidose Humana é uma zoonose, (doenças que acomete seres humanos e alguns animais), causada por platelmintos do tipo Echinococcus.

A Hidatidose, infecção parasitária que possui como agentes etiológicos,  helmintos da classe Eucestoda, do gênero Echinococcus. A Organização Mundial da Saúde – OMS reconhece quatro espécies do gênero Echinococcus: Echinococcus granulosus; Echinococcus multilocularis; Echinococcus oligarthrus; e Echinococcus vogeli . Além dessas, a utilização de ferramentas moleculares permitiu a caracterização de outras espécies: Echinococcus equinus e Echinococcus ortleppi . Recentemente, uma nova espécie – Echinococcus shiquicus – foi descrita na China em raposas tibetanas. Continue lendo

BRUCELOSE HUMANA – VOCÊ SABIA?

Zoonose causada por bactérias do gênero Brucella, apresentando quadro febril acompanhado por inúmeros sinais e sintomas, destacados entre eles a mialgia e artralgia, que pode mimetizar uma série de doenças, infecciosas ou não, com tendência à cronificação, com caráter granulomatoso, capaz de afetar qualquer aparelho ou sistema. Tem tratamento prolongado e comumente associado a recaídas.

É uma infecção que afeta principalmente animais, incluindo cabras, ovelhas, camelos, porcos, cervos, bovinos e cães. Os seres humanos desenvolvem brucelose quando eles entram em contato com animais contaminados ou produtos de origem animal. Os sintomas da brucelose muitas vezes se assemelham a uma síndrome gripal.

A brucelose, embora subdiagnosticada e subestimada no meio médico, é uma das mais importantes zoonoses bacterianas, com mais de meio milhão de casos novos em humanos reconhecidos anualmente, principalmente em países em desenvolvimento. É considerada hiperendêmica em áreas do Mediterrâneo, Península Arábica, Índia, México, América Central e América do Sul. Com isso, mesmo locais livres de brucelose animal podem apresentar casos importados, fato relatado pelas clínicas de medicina de viagens. Algumas áreas do globo chegam a ter prevalência de 10 casos por 100.000 habitantes e, embora seja raramente fatal nos seres humanos (letalidade de 0,1%), causa principalmente abortos e infertilidade em bovinos de corte e leite, levando a perdas econômicas elevadas.

É uma doença também muito conhecida por febre de Malta, febre de Gibraltar, febre ondulante e por febre mediterrânea.

Continue lendo