NOVO TESTE RÁPIDO PARA ZIKA

Pesquisadores da New York University, nos Estados Unidos, estão desenvolvendo um novo teste para o zika, capaz de detectar o teste em minutos – a exemplo do teste já desenvolvido no Brasil, no Instituto de Ciências Biomédicas da USP.

A diferença é que a estratégia usou o mesmo princípio utilizado em testes rápidos para o HIV – que já é vendido em farmácias.

Em dois trabalhos científicos publicados nesta semana no “PLos One” e no “Journal of Visualized Experiments” (JoVE), cientistas demonstraram que adaptações permitiram que o exame também detectasse o zika. Continue lendo

CIENTISTA BRASILEIRO APONTA QUE MEDICAMENTO PARA HEPATITE C POSSA CURAR O ZIKA VÍRUS

Enquanto cientistas e empresas farmacêuticas corriam contra o tempo para criar, do zero, uma vacina contra o Zika vírus, o biólogo Alysson Muotri estava olhando para o outro lado.

A hipótese dele era de que remédios que já estão no mercado e são usados contra outras doenças poderiam também ser efetivos contra o Zika vírus, que causou alterações neurológicas em mais de 3 mil crianças no Brasil entre 2015 e 2017. Continue lendo

DOENÇAS COM CAPACIDADES EPIDÊMICAS PARA PRIORIDADE DE TRATAMENTO 2017

Todo ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta uma lista de doenças prioritárias, que devem ser objeto de uma estratégia e plano de preparação global diante do risco de epidemia que elas representam.

De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde, órgão da OMS nas Américas, o objetivo da lista é buscar desenvolver planos emergenciais e estudos sobre as doenças para reduzir mortes e evitar problemas sociais causados por essas enfermidades.

Entre as doenças que ainda devem preocupar os brasileiros está a zika, que está na lista prioritária da OMS para o desenvolvimento de pesquisa e vacina. Continue lendo

ESTUDO REVELA QUE SÊMEM HUMANO PODE CONTER ATÉ 27 TIPOS DIFERENTES DE VÍRUS

Um estudo revelou que esses microrganismos podem estar presente no sêmen de pessoas infectadas, mas, segundo os cientistas, ainda não foi comprovado que eles causam infecção ou desenvolvimento da doença quando contraídos em relações sexuais. 

O sêmen humano pode conter 27 vírus diferentes, sugere um estudo que será publicado na edição de novembro da revista científica Emerging Infectious Diseases. Em 2017, outras pesquisas já haviam indicado que o zika vírus e o ebola poderiam ser transmitidos pelo contato sexual desprotegido – além do já conhecido HIV, causador da Aids.

Porém, o novo estudo sugere que a lista de vírus presentes no sêmen pode ser maior do que os cientistas imaginavam, mesmo que nem todos causem, necessariamente, uma infecção que leve ao desenvolvimento da doença. Segundo os pesquisadores, a nova relação, que foi baseada em análise da literatura, inclui os causadores da dengue, meningite, algumas doenças respiratórias, rubéola, gripe e outros. Continue lendo

TESTE RÁPIDO PARA ZIKA

O procedimento, desenvolvido pela Fiocruz Biomanguinhos e pela empresa norte-americana Chembio, identifica, em 20 minutos, se a pessoa tem ou já teve a doença. Em entrevista ao portal Uol, o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, afirmou que o kit diagnóstico deve estar disponível no SUS em até um mês. “O Brasil vai poder agora dizer algo que é fundamental, determinar os casos que são ou não zika.”

Três tipos de testes são capazes de detectar o vírus, mas apenas o chamado PCR está disponível na rede pública de sáude. O ministério anunciou, no fim de outubro, a distribuição de 2 milhões de kits até o final deste ano e mais 1,5 milhão até fevereiro de 2017. Enquanto isso, muitas mulheres só sabem que foram infectadas com o Zika depois do nascimento do bebê.

Segundo o professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e Diretor do Hospital Geral Roberto Santos, Antônio Raimundo, existe uma subnotificação do número de casos no Brasil, já que é complicada a realização dos testes.  “A grande dificuldade é o exame em si. Nós tivemos muitos problemas com o RTPCR, um exame muito caro e que você precisa fazer três vezes”. O infectologista Antônio Bandeira também se queixa de dificuldades. “Infelizmente, a gente tem o Aedes Aegypti transmitindo esses três vírus e tem que ter sistemas melhores de diagnóstico.

Continue lendo

MITOS E VERDADES SOBRE ZIKA

Informações de todos os tipos têm circulado na Internet sobre os casos de Zika e microcefalia. O Ministério da Saúde (MS) publicou algumas notas para esclarecer a população sobre mitos que estavam sendo indevidamente compartilhados.

Confira:

mito-verdade


O aumento de casos de microcefalia está relacionado ao uso de mosquitos com bactéria?

Não é verdadeira a informação de relação entre a incidência do vírus Zika com os mosquitos portadores da bactéria Wolbachia. Desde 2014, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com o Ministério da Saúde, desenvolve o projeto “Eliminar a Dengue: Desafio Brasil” que propõe o uso de uma bactéria naturalmente encontrada no meio ambiente, inclusive no pernilongo, chamada Wolbachia. Quando presente no Aedes Aegypti, a bactéria é capaz de impedir a transmissão da dengue pelo mosquito. A pesquisa é inédita no Brasil e na América Latina. O estudo já foi realizado, com sucesso, na Austrália, Vietnã e Indonésia.

Continue lendo