A IMPORTÂNCIA DE SE VACINAR

Vacinar-se é prover a saúde de forma individual e coletiva. A vacinação é fundamental para a prevenção de uma série de doenças infecciosas. Reduz a morbidade dessas doenças e inclusive a mortalidade de várias delas.

As vacinas são compostas por substâncias e microrganismos inativados ou atenuados que são introduzidos no organismo para estimular a reação do sistema imunológico quando em contato com um agente causador de doenças.

Sendo assim, quem se vacina está se protegendo de doenças que podem facilmente causas epidemias e levar as pessoas a morte.

Ao se vacinar, você contribui para:

  • Redução dos números de casos de doenças infecciosas em toda a comunidade, uma vez que a transmissão é diminuída;
  • Diminuição do número de hospitalizações;
  • Redução de gastos com medicamentos;
  • Redução da mortandade;
  • Erradicação de doenças.

Assim, que não se vacina põem em risco a saúde individual como coletiva, uma vez que muitas doenças não podem ser prevenidas apenas com saneamento básico adequado e higiene pessoal, como o caso do vírus da gripe.

 

 

INFORMATIVO: VACINA DA GRIPE 2019

VACINA DA GRIPE

A vacina da gripe distribuída pelo Sistema Único de Saúde (SUS) tem 70% de eficácia.

Após tomar a vacina, ela demora cerca de 15 dias para que seu organismo comece a ter anticorpos capazes de defender o corpo conta o vírus influenza.

Sendo assim o paciente que tomou a vacina e sentiu mal estar parecido com a gripe pode sofrer de duas hipóteses:

1 – Reação adversa leve a vacina, que pode desencadear dor local, inchaço, febre baixa, dores no corpo e de cabeça. Este sintomas tendem a desaparecer em 48 horas.

2 – Ter tido contato com o vírus da gripe no trajeto até o centro de saúde ou mesmo, no centro de saúde, desenvolvendo gripe ou resfriado antes que a vacina se torne efetiva ao corpo.

A vacina é efetiva no combate ao vírus influenza, é importante salientar que este não é o mesmo que causa o Resfriado e as Alergias. Sendo assim a Vacina não é eficaz contra essas doenças.

A VACINA DA GRIPE NÃO CAUSA GRIPE

 

VACINA CONTRA ROTAVÍRUS

Consideradas seguras, foram introduzidas no calendário infantil de imunização, nos Estados Unidos e em vários países da América Latina, incluindo-se o Brasil. Estudos recentes mostram que essas vacinas conferem proteção contra as infecções graves que requerem internação, em torno de 85 a 95%, e no total das infecções por rotavírus, de 72 a 74%.

A vacina utilizada contra o Rotavírus, incluída no calendário infantil brasileiro, em outros países da América Latina e Europa, é o Rotarix® do laboratório Glaxo Smith Kline Biologicals. Trata-se de uma vacina oral, atenuada, monovalente (G1P1A[8]), cepa RIX4414, com elevada imunogenicidade, eficácia e segurança. A vacina é aplicada nas idades de 2 meses (1ª. dose) e 4 meses (2ª. dose). Continue lendo

DIFTERIA

Também chamada de crupe, a Difteria é uma doença infectocontagiosa causada pela toxina do bacilo Corynebacterium diphtheriae, que provoca inflamação e lesão em partes das vias respiratórias (amígdalas, faringe, laringe, traqueia, brônquios, nariz) e, às vezes, da pele.

Corynebacterium diphtheriae é um bacilo transmitido por contágio direto com doentes ou portadores assintomáticos (que não manifestam a doença) através das secreções nasais.

Também pode ocorrer a transmissão indireta, através de objetos que tenham sido contaminados recentemente pelas secreções de orofaringe ou de lesões em outras localizações.

A incidência da transmissão de difteria costuma aumentar nos meses frios e, principalmente, em ambientes fechados, devido à aglomeração. Continue lendo

COQUELUCHE

A coqueluche é uma doença infecciosa aguda e transmissível, que compromete o aparelho respiratório (traquéia e brônquios).

O agente etiológico causador da coqueluche é o bacilo Bordetella pertussis. Ela compromete especificamente o aparelho respiratório e tem como característica a tosse seca. A doença ocorre sob as formas endêmica e epidêmica.

Em lactentes, a coqueluche pode apresentar complicações e levar à morte. O homem é o único reservatório natural do bacilo causador da coqueluche. Ainda não foi constatada a existência de portadores crônicos. Entretanto, podem ocorrer casos sem sintomas da doença e com pouca importância na disseminação da mesma.

Coqueluche é a única doença infantil de distribuição mundial que a cada ano se torna mais comum, mesmo que possa ser prevenida por uma vacina. Continue lendo

VACINA CONTRA AIDS – MITOS E VERDADES SOBRE ESSA NOVA NOTÍCIA

Fazia tempo que uma notícia sobre HIV não chamava tanto a atenção: uma nova tentativa de criar uma vacina que imunizaria pessoas saudáveis contra a infecção do HIV fez seus primeiros testes com humanos. Os resultado, promissores, foram publicados no periódico The Lancet. 

A AIDS carrega um impacto emocional que poucas outras doenças são capazes de alcançar. E, em assuntos como esse, é difícil separar fatos de especulação e até exagero.

Então vamos aos poucos: o que é uma vacina contra o HIV, como essa nova vacina foi criada, o que ela já pode fazer, e o que ela, por enquanto, só promete.

Imunizar as pessoas contra o HIV é uma ambição mundial há pelo menos 35 anos. Uma intervenção só que conseguisse prevenir esse mal causaria um impacto tremendo, que nem os avanços incríveis dos tratamentos conseguiram trazer. Continue lendo

MITOS SOBRE VACINAS

Vacinas são recursos essenciais para a saúde individual e pública. O princípio da vacinação consiste em, através do uso especificamente controlado de microrganismos causadores de doenças, ou suas toxinas, estimular o sistema imunológico de modo que este seja capaz de montar uma defesa contra tal antígeno. 

Dessa forma, quando o indivíduo entrar em contato com este antígeno ele já possua mecanismos efetores eficientes para protege-lo e garantir sua segurança e saúde, prevenindo assim diversas doenças. Isso acontece pela geração de memória imunológica, ou seja, nosso sistema imune é capaz de armazenar uma memória para cada antígeno que entramos em contato ao logo da vida e assim, é capaz de se defender e combater tal antígeno.

A vacinação é o modo conhecidamente mais eficaz de se prevenir doenças causadas por agentes infecciosos. Porém como qualquer tratamento ou prevenção de doença, as vacinas podem variar de eficiência levando em conta certos fatores como: Continue lendo