POSSO USAR O PRESERVATIVO FEMININO NO SEXO ANAL?

Primeiramente, vamos falar um pouco sobre o preservativo feminino:

O preservativo feminino ou camisinha feminina é a versão feminina do contraceptivo de barreira mais comum do mundo, o preservativo masculino.

Esse dispositivo foi inventando pelo médico dinamarquês Lasse Hershel, ao final dos anos 90, a fim de dar autonomia às mulheres, que assim não precisam depender exclusivamente dos seus parceiros.

Este método contraceptivo consiste em um dispositivo de  polietileno, material que oferece menos risco de furar, e, além disso, é uma opção para quem tem alergia ou irritação ao látex. Ela também é mais eficaz na hora de proteger contra Infecções Sexualmente Transmissíveis -IST’s, como HPV e herpes, porque protege a parte externa da vagina também. Continue lendo

POR QUE NÃO SE DEVE REUTILIZAR O PRESERVATIVO?

Apensar de muitos modelos, distribuídos no mundo, de preservativo (camisinha) tanto masculino quanto feminino, não trazerem em sua embalagem a descrição de uso único. Este produto jamais deve ser reutilizado, ou mesmo utilizado quando a embalagem estiver danificada ou violada.

Sendo assim a camisinha masculina e a camisinha feminina são de uso único e jamais devem ser reutilizadas.

A maioria dos preservativos é feita de látex e pode conter lubrificantes, espermicidas e/ou retardantes que alteram sua composição química. O modo de fabricação é o mesmo independentemente da matéria-prima: a borracha passa por um processo de vulcanização (em que sofre uma injeção de calor e pressão) para ficar mais resistente. Depois, recebe alguns produtos químicos que endurecem ainda mais o elástico e reduzem alguns de seus componentes alérgicos. Por fim, a borracha é moldada no formato tradicional em uma forma de vidro e passa por um banho de talco e sílica antes de ser finalmente embalada e despachada. Continue lendo

PRESERVATIVO É UM METODO DE PREVENÇÃO EFICAZ?

A camisinha (Preservativo) ainda é, segundo a Organização Mundial da Saúde, um dos métodos mais efetivos para prevenir as infecções sexualmente transmissíveis quando usada de maneira correta e consistente. Apesar de o preservativo masculino ser de longe o mais popular, o feminino é igualmente eficaz.

O infectologista Sidnei Pimentel, do Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids do Estado de São Paulo, reconhece que a camisinha feminina causa estranheza por ter o dobro do tamanho da versão masculina. Mas é a solução ideal para casos em que o parceiro tem dificuldade em manter a ereção com camisinha.

Qualquer que seja a escolha do preservativo, o ideal é usá-lo junto com gel lubrificante, para diminuir o atrito e o risco de rompimento. Os dois tipos de preservativo estão disponíveis de graça em qualquer serviço de saúde do SUS. Continue lendo