DONOVANOSE: GRANULOMA INGUINAL

A Donovanose é causada pela bactéria Klebsiella granulomatis. É uma IST crônica progressiva que acomete preferencialmente a pele e mucosas das regiões da genitália, da virilha e do ânus.

É caracterizada por causar úlceras e destruir a pele infectada. É pouco frequente, ocorrendo na maioria das vezes em climas tropicais e subtropicais.

É uma doença também chamada de Granuloma Inguinal que no Brasil é mais frequente no Norte e em pessoas com baixo nível socioeconômico e higiênico.

É uma IST extremamente rara em países desenvolvidos, mas ainda ocorre em Papua Nova Guiné, Austrália, África do Sul, Caribe e em partes do Brasil e da Índia. Continue lendo

MYCOPLASMA GENITALIUM (DST/IST)

Os Micoplasmas pertencem à classe dos Mollicutes, procariotos caracterizados pela ausência de parede celular. Esses microrganismos têm sido associados a infecções do trato genital alto e baixo com implicações como uretrites, cervicites, doença inflamatória pélvica, prostatites, epididimites, infertilidade no homem e na mulher, abortos e partos pré-maturos, bem como mortalidade neonatal e mais recentemente, câncer de prostata.

A bactéria Mycoplasma genitalium é uma causa comum de uretrite no homem e de cervicite na mulher, sendo recentemente reconhecida como uma IST.

É uma bactéria que vive nas células epiteliais e ciliadas dos tratos genitais e epiteliais dos primatas. É transmitida através do contato sexual, especificamente por contato com secreções, saliva e epitélio. Continue lendo

SÍFILIS: VAMOS FALAR SOBRE ISSO

A Sífilis é uma doença sistêmica causada por Treponema pallidum, caracterizada por três fases clínicas sequenciais e sintomáticas separadas por períodos de infecção latente assintomática.

O T. pallidum é uma espiroqueta que não pode sobreviver muito tempo fora do corpo humano. Na sífilis sexualmente adquirida, o T. pallidum entra pelas membranas mucosas ou pela pele, alcança os linfonodos regionais dentro de horas e rapidamente se dissemina ao longo do corpo.

A infecção geralmente é transmitida por meio de contato sexual (incluindo genital, orogenital e anorretal), mas pode ser transmitida não sexualmente por contato cutâneo ou transplacentário (Sífilis congênita). O risco de transmissão é de aproximadamente 30% com um único encontro sexual com uma pessoa com sífilis primária e de 60 a 80% de uma mãe infectada para o feto. Infecção anterior não confere imunidade contra reinfecção. Continue lendo