CANCRO MOLE – O QUE É?

A doença, também conhecida como cancroide, cancro venéreo simples ou, popularmente falando, cavalo, era considerada como uma sequela da sífilis pelos médicos dos séculos XV e XVI, mas hoje sabe-se que as duas ISTs são diferentes uma da outra e requerem tratamentos diferentes.

O Cancro Mole é uma doença sexualmente transmissível causada pela bactéria Haemophilus ducreyi , bacilo do tipo gram-negativo intracelular, e é predominante em regiões mais tropicais, como algumas partes da África, Ásia, Caribe e América Central e América do Sul.

Em países desenvolvidos, o cancro mole é raro, mas é uma causa comum de lesões genitais em grande parte dos países em desenvolvimento. Como o cancro mole causa ulcerações genitais, as pessoas que têm a doença têm mais probabilidade de serem infectadas pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) e disseminá-lo. Continue lendo

MITOS SOBRE SÍFILIS

A sífilis é uma enfermidade sistêmica, exclusiva do ser humano, conhecida desde o século XV, e seu estudo ocupa todas as especialidades médicas.

Tem como principal via de transmissão o contato sexual, seguido pela transmissão vertical para o feto durante o período de gestação de uma mãe com sífilis não tratada ou tratada inadequadamente. Também pode ser transmitida por transfusão sanguínea.

A apresentação dos sinais e sintomas da doença é muito variável e complexa. Quando não tratada, evolui para formas mais graves, podendo comprometer o sistema nervoso, o aparelho cardiovascular, o aparelho respiratório e o aparelho gastrointestinal.

Embora o tratamento com penicilina seja muito eficaz nas fases iniciais da doença, métodos de prevenção devem ser implementados, pois adquirir sífilis expõe as pessoas a um risco aumentado para outras IST’s, inclusive a Aids. Continue lendo

SÍFILIS: VAMOS FALAR SOBRE ISSO

A Sífilis é uma doença sistêmica causada por Treponema pallidum, caracterizada por três fases clínicas sequenciais e sintomáticas separadas por períodos de infecção latente assintomática.

O T. pallidum é uma espiroqueta que não pode sobreviver muito tempo fora do corpo humano. Na sífilis sexualmente adquirida, o T. pallidum entra pelas membranas mucosas ou pela pele, alcança os linfonodos regionais dentro de horas e rapidamente se dissemina ao longo do corpo.

A infecção geralmente é transmitida por meio de contato sexual (incluindo genital, orogenital e anorretal), mas pode ser transmitida não sexualmente por contato cutâneo ou transplacentário (Sífilis congênita). O risco de transmissão é de aproximadamente 30% com um único encontro sexual com uma pessoa com sífilis primária e de 60 a 80% de uma mãe infectada para o feto. Infecção anterior não confere imunidade contra reinfecção. Continue lendo