DOR EM PACIENTES COM OSTEOPOROSE

A osteoporose é um quadro clínico que causa a redução da densidade óssea do paciente, tornando-os mais porosos e menos resistentes, o que facilita o aparecimento de fraturas.

A osteoporose é uma doença silenciosa que pode não causar sintoma algum até que surja alguma fratura no paciente.

No ciclo de vida normal de um paciente saudável os ossos aumentam em densidade progressivamente até cerca de 30 anos, quando são mais fortes. Depois desse período, visto que a degradação excede a formação, os ossos diminuem lentamente em densidade. Se o corpo for incapaz de manter uma quantidade adequada de formação óssea, os ossos continuam perdendo densidade e podem se tornar cada vez mais frágeis, o que resulta em osteoporose.

Cerca de oito milhões de mulheres e dois milhões de homens nos Estados Unidos têm osteoporose. Existem dois tipos principais de osteoporose: Continue lendo

VERTIGENS NOS IDOSOS

À medida que as pessoas envelhecem, muitos fatores fazem com que tonturas e vertigens sejam cada vez mais comuns. Os órgãos envolvidos no equilíbrio, particularmente as estruturas do ouvido interno, não funcionam tão bem. Torna-se cada vez mais difícil enxergar sob luz fraca.

Os mecanismos corporais que controlam a pressão sanguínea respondem mais devagar (por exemplo, ao se levantar). Pessoas mais idosas provavelmente tomam medicamentos que provocam tonturas.

Embora as tonturas e vertigens sejam desagradáveis em qualquer idade, elas causam problemas particularmente às pessoas mais idosas. Pessoas frágeis têm um risco muito maior de cair quando ficam tontas. Mesmo quando elas não caem, frequentemente elas ficam com medo de cair, e isso afeta significativamente sua habilidade para as atividades diárias. Continue lendo

ÚLCERAS DE DECÚBITO EM IDOSOS – ESCARAS

O envelhecimento em si não causa úlceras de decúbito. Mas provoca alterações nos tecidos que aumentam a probabilidade de desenvolvimento de úlceras de decúbito. Conforme as pessoas envelhecem, as camadas externas da pele ficam mais finas. Muitas pessoas mais velhas têm menos gordura e músculos, os quais ajudam a absorver a pressão. O número de vasos sanguíneos diminui, e eles se rompem com mais facilidade. Todas as feridas, incluindo úlceras de decúbito, cicatrizam mais lentamente.

Certos quadros clínicos aumentam a probabilidade de desenvolvimento de úlceras de decúbito em pessoas mais velhas: Continue lendo

ESCARAS DE DECÚBITO

As escaras de decúbito, também conhecidas como ulceras de decúbito ou úlceras de pressão, são feridas que aparecem na pele de pessoas que permanecem muito tempo na mesma posição.

As escaras de decúbito são áreas de pele danificadas que decorrem da falta de irrigação sanguínea devido à pressão. São muitas vezes resultado de pressão combinada com puxões na pele, fricção e umidade, particularmente em áreas ósseas.

As escaras de decúbito podem ocorrer em pessoas de qualquer idade que estejam confinadas ao leito, à cadeira ou que não consigam mudar de posição sozinhas. Elas ocorrem quando há pressão sobre a pele causada por uma cama, cadeira de rodas, molde de gesso, tala, dispositivo artificial mal ajustado (prótese) ou outro objeto duro. Elas tendem a ocorrer sobre ou entre áreas ósseas nas quais a pressão sobre a pele pode ficar concentrada, como sobre os ossos do quadril, do cóccix, dos calcanhares, dos tornozelos e dos cotovelos, mas podem ocorrer em qualquer lugar. Pessoas que sofrem danos em nervos ou paralisa correm mais risco de desenvolverem escaras de decúbito. Continue lendo

SARCOPENIA: RESULTADO DO ENVELHECIMENTO E SEDENTARISMO

O músculo é formado por vários compartimentos, que são chamados de sarcômeros. A sarcopenia é a diminuição ou perda destes compartimentos. Ela pode começar a partir do momento em que um adulto fica inativo (sem praticar atividade física).

Deixar de praticar atividades físicas durante a vida, principalmente após os 40 anos, é uma das principais causadas da sarcopenia, a perda de massa muscular. Qualquer pessoa sedentária corre grande risco de desenvolver este problema.

Uma das principais consequências da sarcopenia é a perda de qualidade de vida. A diminuição do tônus muscular implica na redução da força, da capacidade de locomoção e, consequentemente, na produtividade no trabalho. Esta condição também aumenta a possibilidade de desenvolvimento de osteoporose. Continue lendo