COMPLICAÇÕES DA GRIPE

Todos os anos, a gripe sazonal afeta cerca de 500 milhões de pessoas em todo o mundo e julga-se que destes possam falecer cerca de meio milhão.

Esta é uma doença contagiosa, muito comum nos meses mais frios, que, na maior parte das vezes, se cura espontaneamente. No entanto, podem ocorrer complicações, particularmente em pessoas com determinadas doenças crônicas ou com idade igual ou superior a 65 anos e que negligenciam seus sintomas.

A gripe é uma doença que após um período de incubação que varia de 24 a 96 horas, os sinais e sintomas da gripe costumam surgir de forma tão abrupta, que vários pacientes conseguem dizer exatamente a hora que a doença começou. Febre alta, fraqueza e dor pelo corpo acompanhados de sintomas respiratórios, como tosse, dor de garganta e rinite costumam estar presente logo nas primeiras horas de doença. Continue lendo

A VACINA DA GRIPE 2018 PODE CAUSAR REAÇÕES?

A resposta para essa pergunta é SIM, porém não se preocupe com isso, pois nem todos terão reações adversas à vacina e o mais importante, as reações não costumam ser graves.

É importante antes de tudo, que as pessoas entendam que todas as substâncias usadas como remédio (comprimidos, cápsulas, vacinas, chás, géis, colírios, xaropes, etc) possuem ou podem causar alguma forma de reação, seja essa substância sintética, puramente química, de origem animal, vegetal ou mineral.

A gripe é uma doença benigna na imensa maioria dos casos, possuindo uma taxa de mortalidade abaixo de 1%. Porém, por ser altamente contagiosa, ela é capaz de infectar milhões de pessoas em relativamente pouco tempo, fazendo com que uma taxa próxima de 1% represente, em números absolutos, uma quantidade grande de vítimas. Por isso, a vacinação contra o vírus Influenza tornou-se uma importante medida de saúde pública nos últimos anos. Continue lendo

CORIZA

Definida como uma inflamação da mucosa nasal que causa produção excessiva de muco, tanto transparente, amarelo ou com sangue. Em alguns casos a coriza também pode ser acompanhada de espirros e congestionamento nasal. 

A coriza nada mais é do que a palavra que indica secreção nasal ou o ato do nariz estar escorrendo, como é popularmente conhecida.

Quando não tratada, a coriza pode aumentar a probabilidade de se desenvolver a sinusite, bronquite ou mesmo a pneumonia, por exemplo. Continue lendo

INFLUENZA H3N2 NA GRAVIDEZ

A gripe H3N2 é um subtipo do comum vírus da gripe Influenza A.

Cada tipo de gripe é nomeado de acordo com a combinação e quantidade de proteínas que apresenta. O H1N1, por exemplo, possui uma proteína chamada hemoaglutinina, que tem a capacidade de se replicar, e uma neuraminidase, cuja função é a de ligar as células. Já o H3N2 possui duas hemoaglutininas e três neuraminidase .

Embora existam vários tipos de gripe, apenas a gripe A é ainda discriminada em subtipos que são identificados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) com base em:

  • Hospedeiro de origem (tipo de animal em que o vírus foi identificado pela primeira vez – suínos, pássaros, etc.)
  • Origem geográfica (localização / cidade em que o vírus foi isolado pela primeira vez)
  • Número da Estirpe / combinação e proteínas que apresenta
  • Ano de isolamento

Continue lendo

INFLUENZA: A DIFERENÇA ENTRE H1N1 e H3N2

O QUE É O H3N2?

O H3N2 é um subtipo do vírus da influenza A, responsável pelo maior surto degripe nos EUA nos últimos anos, com mais de 47 mil pessoas infectadas. Recentemente, chegou no Brasil e chamou a atenção das autoridades da saúde.

Originalmente, o H3N2 não é um vírus que afeta humanos, sendo mais comum em espécies como aves e suínos. Contudo, a transmissão entre pessoas é possível. Dessa forma, fica conhecido como vírus variante.

O nome H3N2 corresponde aos dois tipos de proteína em sua superfície de revestimento, sendo elas a hemaglutinina (H) e a neuraminidase (N).

Apesar de já se ter histórico de casos da doença, em 2018 o vírus se mostrou uma ameaça maior. No Brasil, até então, já se tem registro de mortes provocadas pela condição. Continue lendo

INFLUENZA A H1N1 – GRIPE SUÍNA

A Influenza A H1N1 consiste em uma doença causada por uma mutação do vírus da gripe. Também conhecida como gripe Tipo A ou gripe suína, ela se tornou conhecida quando afetou grande parte da população mundial entre 2009 e 2010.

O vírus Influenza A (H1N1) circula no mundo desde, pelo menos, o início do século XX, tendo sido ele o responsável por grandes epidemias de gripe do passado.

Assim como qualquer Influenza A, o subtipo H1N1 possui uma grande capacidade de mutação, fazendo com que de tempos em tempos uma nova cepa seja responsável por novas epidemias.

A última epidemia de gripe H1N1 havia ocorrido no final da década de 1970. Desde então o vírus circulava entre humanos sem causar grandes estragos. Em 2009, porém, surgiu no México uma nova cepa de H1N1 que teve origem no Influenza A H1N1 que afetava porcos (daí o nome gripe suína). Esta cepa suína sofreu uma mutação e passou a ser capaz de infectar seres humanos. Este novo H1N1 possuía em seu DNA características do vírus Influenza A presentes em aves, porcos e humanos, sendo diferente do H1N1 que circulava até então. Continue lendo

MEDIDAS DE PREVENÇÃO A GRIPE

A gripe é provocada pelos vírus influenza (tipo A, B, C e D) e temos uma síndrome semelhante à gripe provocada pelos vírus parainfluenza (tipo 1,2,3 e 4), chamada de resfriado.

Os efeitos da gripe são muito mais severos e duram mais tempo que um simples resfriado. A maioria das pessoas recupera-se totalmente em cerca de uma a duas semanas, mas outras irão desenvolver complicações que podem ser fatais.

Os vírus da gripe e do resfriado são muito contagiosos, apresentam sintomas semelhantes e infectam diversas pessoas. O resfriado comum infecta o nariz e a garganta, já a gripe ataca o sistema respiratório. Nenhuma das doenças tem cura e ambas desaparecem por conta própria, embora alguns casos possam tornar-se bem mais graves. Continue lendo