CIRROSE HEPÁTICA: O QUE É?

A cirrose é uma lesão hepática crônica resultante de uma variedade de causas, das quais levam à formação de cicatrizes e insuficiência hepática.

O fígado é capaz de reparar-se quando agredido. No entanto, se a agressão ocorrer de forma persistente ao longo de vários anos, o processo de reparação passa a envolver a criação de tecido cicatricial em vez de tecido com células hepáticas capazes de executar suas funções. Assim, situações nas quais há contínua agressão do fígado, como ocorre, por exemplo, com o consumo crônico e abusivo de álcool, podem causar cicatrizes em áreas significativas no fígado, processo no qual damos o nome de cirrose.

A cirrose é uma doença do fígado. Caracteriza-se por uma substituição progressiva dos tecidos saudáveis do fígado por nódulos e tecido fibroso, o que prejudica progressivamente a função hepática. Trata-se de uma doença grave e irreversível, que pode permanecer estável ou evoluir para falência do órgão. Continue lendo

HEPATITE ALCOÓLICA

A hepatite se trata de qualquer inflamação no fígado, aguda ou crônica, que pode ser causada por infecções virais ou bacterianas, abuso de álcool, medicamentos, drogas, doenças hereditárias e doenças autoimunes.

Geralmente causada pelo consumo excessivo e abusivo de álcool durante um período prolongado, a hepatite alcoólica leva a uma inflamação e inchaço do fígado que começa a desregular as funções normais desse órgão.

Pessoas do sexo feminino estão mais suscetíveis a adquirir a doença, uma vez que o fígado nas mulheres tem menor capacidade de metabolizar o álcool.

Podemos citar 3 tipos de danos ao fígado causada por álcool, são elas: acúmulo de gordura, inflamação e cirrose (cicatrizes no fígado). Continue lendo

HEPATITE AUTOIMUNE

A hepatite autoimune (HAI) é doença necroinflamatória crônica do fígado, cujos agentes desencadeantes ainda não estão estabelecidos. A fisiopatogenia da doença é pouco conhecida; provavelmente, decorrente da interação entre predisposição genética e agente desencadeador externo (infecciosos, drogas ou toxinas). O background genético afeta a ocorrência, o quadro clínico e a resposta terapêutica.

Apresenta ocorrência universal e sua prevalência mundial permanece desconhecida. No Brasil, apesar dos poucos estudos realizados, é responsável por 5-19% das doenças hepáticas dos principais centros, por menos de 5% dos pacientes em lista de transplante.

Nesta doença, basicamente, o que ocorre é um ataque dos anticorpos, responsáveis por proteger o organismo, as células saudáveis do fígado sem motivo aparente. A consequência é que com a destruição dessas células o órgão fica prejudicado.

Sem o tratamento adequado a hepatite autoimune pode levar a um quadro de cirrose com suas complicações.

Continue lendo

DOENÇAS VIRAIS: HEPATITE G

A hepatite G foi à hepatite descoberta mais recentemente (em 1995) e é provocada pelo vírus VHG que se estima ser responsável por 0,3 por cento de todas as hepatites virias. Desconhecem-se, ainda, todas as formas de contágio possíveis, mas sabe-se que a doença é transmitida, sobretudo, pelo contato sanguíneo.

O VHG é um RNA virus, da familia Flaviridae, de envelope lipidico, que apresenta diferentes genótipos. A infecção pelo HGV pode ocorrer simultaneamente à infecção pelo VHC (Hepatite C).

O VHG apresenta 27% de homologia como vírus da hepatite C, oferecendo assim, a possibilidade de ser estudado em modelos experimentais para o desenvolvimento da vacina para hepatite C, bem como de novas formas de tratamento da hepatite C.

Apesar dessa similaridade com o VHC, o VHG é um vírus basicamente linfotrópico, ou seja, o replica-se preferencialmente nos linfócitos, e muito raramente nos hepatócitos; ao contrário do hepatotropismo típico do vírus da hepatite C.

Continue lendo

CIRROSE HEPÁTICA: O QUE É?

A cirrose é uma lesão hepática crônica resultante de uma variedade de causas, das quais levam à formação de cicatrizes e insuficiência hepática.

O fígado é capaz de reparar-se quando agredido. No entanto, se a agressão ocorrer de forma persistente ao longo de vários anos, o processo de reparação passa a envolver a criação de tecido cicatricial em vez de tecido com células hepáticas capazes de executar suas funções. Assim, situações nas quais há contínua agressão do fígado, como ocorre, por exemplo, com o consumo crônico e abusivo de álcool, podem causar cicatrizes em áreas significativas no fígado, processo no qual damos o nome de cirrose.

A cirrose é uma doença do fígado. Caracteriza-se por uma substituição progressiva dos tecidos saudáveis do fígado por nódulos e tecido fibroso, o que prejudica progressivamente a função hepática. Trata-se de uma doença grave e irreversível, que pode permanecer estável ou evoluir para falência do órgão. Continue lendo

DOENÇAS VIRAIS: HEPATITE E

A hepatite E resulta da infecção pelo vírus da hepatite E (VHE), é transmitida de pessoa a pessoa, através da água e de alimentos contaminados com matéria fecal, e já foi responsável por grandes epidemias no centro e sudeste da Ásia, no norte e oeste de África e na América Central.

No mundo industrializado, o vírus quase não existe, onde a doença escasseia e apenas se manifesta em indivíduos que tenham estado em regiões tropicais endêmicas.

Doença viral aguda e autolimitada. Apresenta curso benigno, embora tenham sido descritos casos, principalmente em gestantes, com evolução para a forma fulminante. Apresenta-se de forma assintomática (usualmente em crianças) ou com sintomas semelhantes à Hepatite A, sendo a icterícia observada na maioria dos pacientes.

hepatite E  aguda, pode chegar a produzir inflamação e necrose do fígado. Uma pessoa infectada com o vírus pode ou não desenvolver a doença. A infecção confere imunidade permanente contra a doença. A hepatite E ocorre mais comumente em países onde a infraestrutura de saneamento básico é deficiente e ainda não existem vacinas disponíveis.

Continue lendo

DOENÇAS VIRAIS: HEPATITE D

Hepatite D também conhecida como Delta, é uma doença viral caracterizada por reação inflamatória no fígado, esse vírus é considerado um vírus satélite, ou seja, ele não é autônomo e depende da presença do vírus da hepatite B para infectar uma pessoa.

O agente delta é um RNA-vírus “incompleto” (um dos menores vírus RNA animais, tão pequeno que é incapaz de produzir seu próprio envelope proteico e de infectar uma pessoa), constituído de uma fita incompleta de RNA. Ele é deficiente em quase todas as proteínas necessárias à replicação e só pode multiplicar-se em células já infectadas pelo vírus da hepatite B, utilizando as enzimas codificadas por ele além dos recursos da célula humana.

Portanto, na grande maioria dos casos a hepatite D ocorre junta a B, ambas com transmissão parenteral (sangue contaminado e sexual). O vírus D normalmente inibe a replicação do B, que fica latente.

A hepatite D foi conhecida em 1977, ano em que foi descoberto o vírus que a provoca, o HDV ou vírus Delta como também é designado.

Continue lendo