VÍRUS DA FEBRE AMARELA DETECTADO PELA 1ª VEZ EM URINA E SÊMEN DE PACIENTE

Um grupo de cientistas brasileiros conseguiu detectar o RNA do vírus da febre amarela – isto é, seu material genético – na urina e no sêmen de um paciente com a doença. De acordo com os autores da nova pesquisa, a descoberta poderá ser útil para aprimorar os testes diagnósticos da doença.

O RNA do vírus é normalmente detectado no sangue de pacientes infectados, mas até agora não havia sido observado no sêmen e na urina. A nova pesquisa teve seus resultados publicados na “Infectious Diseases”, revista científica dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) do governo dos Estados Unidos.

“Nossos resultados sugerem que o sêmen pode ser um material clínico útil para o diagnóstico da febre amarela e indica a necessidade de realizar testes de urina e coletar amostras de sêmen de pacientes com a doença em estágio avançado”, diz o artigo. Continue lendo

HOMEOPATÍA E A FEBRE AMARELA: ESCLARECIMENTOS

A vacina contra a febre amarela é preparada a partir do vírus vivo atenuado e produzida no Brasil. Sua imunidade ocorre dez dias após a aplicação, conferindo imunidade, segundo a OMS, por toda a vida.

O emprego da homeopatia no caso da febre amarela consiste na indicação de medicamentos homeopáticos que auxiliam na profilaxia e tratamento dos sintomas. A vacinação estabelecida conforme as diretrizes do Programa Nacional de Imunização, do Ministério da Saúde, é a medida mais importante para a prevenção e o controle da doença.

Desde a criação da homeopatia pelo médico alemão Dr. Samuel Hahnemann, essa terapêutica vem atuando em epidemias, e há relatos históricos documentados que demonstram resultados e benefícios bastante significativos.

Continue lendo

CONTRAINDICAÇÕES DA VACINA DA FEBRE AMARELA

A vacina contra a febre amarela é considerada altamente segura, segundo a Organização Mundial da Saúde – OMS. Eventos adversos sérios, que põem em risco a vida do paciente, ocorrem em 1 a cada 250 mil pessoas vacinadas.

Mas em determinados grupos de pacientes, como aqueles que estão com o sistema imunológico debilitado ou que têm alergias a elementos do ovo, alergia a antibióticos da classe dos macrolídeos (Azitromicina,Eritromicina, etc) a imunização pode causar problemas graves.

Esses efeitos ocorrem porque o imunizante contra a febre amarela possui o vírus vivo atenuado, que desaparece do organismo três semanas após a vacinação, em média. Continue lendo

REAÇÕES ADVERSAS A VACINA DA FEBRE AMARELA

Na última década, a febre amarela tem se apresentado com um padrão epizoótico-epidêmico, manifestando-se como uma doença reemergente em novas áreas do território brasileiro, fora da área considerada endêmica (região Amazônica e Centro-Oeste e Estado do Maranhão).

Neste período foi observada uma expansão da circulação viral no País, demonstrando a presença do vírus amarílico em todo o território Brasileiro.

A Vacina da Febre Amarela é um pó liofilizado injetável composto por vírus vivo atenuado da febre amarela cepa 17DD ou equivalente, cultivado em ovos embrionados de galinha. Contém sacarose, glutamato, sorbitol, gelatina bovina, eritromicina e canamicina. Diluente água para injeção. Continue lendo

FEBRE AMARELA

A Febre Amarela é uma doença viral aguda causada pela picada do mosquito contaminado pelo flavovirus da febre amarela. Ela só é transmitida pela picada da fêmea do mosquito do gênero Haemagogus, em áreas rurais e Aedes Aegypti em áreas urbanas.

A febre amarela é dividida em dois tipos:

  1. Febre amarela silvestre– quando a infecção corre nas regiões de floresta e serrado. Esta forma é transmitida pelos mosquitos do gênero Haemagogus.

  2. Febre amarela urbana– quando a infecção ocorre na grandes cidades e áreas urbanizadas. Esta forma é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, o mesmo que transmite dengue.

A doença é a mesma, essa divisão é apenas para fins epidemiológicos e sendo assim, as manifestações clínicas da doença são iguais, bem como sua evolução. Continue lendo

FEBRE AMARELA: ÁREAS DE RISCO NO BRASIL 2018

Aedes aegypti, mosquito que pode transmitir o dengue e também a  febre amarela, está presente em 3600 municípios brasileiros, incluindo estados como Rio de Janeiro, São Paulo e o Distrito Federal.

Desde dezembro de 2016, o Brasil está experimentando um aumento da atividade do vírus da febre amarela, informou a Organização Mundial da Saúde – OMS, em seu site. “Um total de 777 casos humanos foram relatados, incluindo 261 mortos, em oito Estados (Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Rio de Janeiro, São Paulo e Tocantins), bem como no Distrito Federal”. Continue lendo

VACINA FRACIONADA DA FEBRE AMARELA – ENTENDA AS IMPLICAÇÕES DA TÉCNICA

A vacina contra febre amarela vai ser fracionada em algumas doses, com o intuído de  imunizar mais gente. A técnica já foi usada na África, pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Hoje 09/01/2018 o Governo Federal afirmou que vai fazer uso da técnica em alguns estados Brasileiros.

É a primeira vez que acontece o fracionamento de vacina no Brasil. O ministério da Saúde anunciou que a vacina fracionada vai ser aplicada em três estados: Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo. São setenta e cinco municípios: cinquenta e dois em São Paulo, quinze no Rio e oito na Bahia. A meta é vacinar dezenove milhões e setecentas mil de pessoas. Continue lendo