ESTUDO CORRELACIONA IDADE PATERNA COM PROPENSÃO A DOENÇAS

Por muito tempo tem-se acreditado que só a idade da mulher importa quando se trata de ter filhos, já que a fertilidade feminina começa a decair por volta do 30, 40 anos, até a chegada da menopausa, aos 40, 50 anos. No entanto as pesquisas mais recentes têm demonstrado que a idade paterna também é importante no que toca tanto à fertilidade quanto ao desenvolvimento dos filhos.

Um estudo publicado na revista Biological Psychiatry estabeleceu uma conexão entre pais mais velhos e o risco crescente de esquizofrenia juvenil, uma forma severa da doença que se apresenta em menores de 18 anos e é associada a outras anomalias genéticas.

Os pacientes que participaram do estudo tinham genitores normais e nenhum histórico familiar de distúrbio mental, portanto seus casos foram produto de mutações genéticas no esperma paterno, acumuladas com o avançar da idade, já a partir dos 35 anos. Continue lendo

ESTUDO DEMONSTRA QUE DOIS FÁRMACOS FREIAM METASTASE

O câncer usa mecanismos biológicos idênticos àqueles que permitem que um ser vivo saudável cresça. Tal plasticidade pode ser seu ponto fraco, como mostrado por um estudo publicado. O trabalho é uma prova de conceito , a demonstração preliminar de que o processo de evolução do câncer poderia ser revertido.

O estudo mostra que a combinação de dois medicamentos, antitumoral e antidiabético Trametinib e Rosiglitazona, transforma as células do cancro da mama em gordura inofensivo em ratinhos que foram enxertados tumores da mama metastático. Tumores triplo-negativos, a classe mais agressiva de câncer, foram usados ​​no estudo. Continue lendo

REDUÇÃO DO HIV LATENTE NO CORPO COM USO DE CÉLULAS TRONCO

Cientistas espanhóis descobriram enormes reduções nos reservatórios do HIV-1 (Vírus da Imunodeficiência Humana) de cinco pacientes que foram submetidos a tratamento com transplante de células-tronco, de acordo com uma pesquisa publicada na revista Annals of Internal Medicine.

Os reservatórios latentes de HIV são as células do corpo onde o HIV é capaz de persistir mesmo quando os pacientes estão em terapia antirretroviral. Se alguém diagnosticado com HIV não tomar a medicação, a quantidade de HIV no corpo (chamada carga viral) aumentará. Embora os medicamentos possam suprimir as cargas virais, eles não podem eliminar completamente os reservatórios latentes do HIV. Continue lendo

ESTUDO NÃO VÊ BENEFÍCIOS EM VITAMINA D PARA SAÚDE ÓSSEA

Os suplementos de vitamina D não são capazes de prevenir fraturas e nem melhoram a densidade mineral óssea, independente da dosagem, indica revisão de estudos publicada na revista Lancet Diabetes and Endocrinology. Nos últimos anos, o nutriente tem sido associado a um risco reduzido de diversas condições, como osteoporose e hipertensão, além de manter os ossos mais fortes, uma vez que auxilia o corpo na absorção de cálcio.

No entanto, os pesquisadores afirmam que, baseado nos novos resultados, há poucos motivos para continuar tomando os suplementos, exceto no caso de indivíduos com alto risco de algumas condições raras, como raquitismo e osteomalacia, doença que causa amolecimento dos ossos em decorrência de mineralização anormal e carência de vitamina D. Eles ainda disseram que realizar mais pesquisas sobre os efeitos da vitamina D na saúde dos ossos é inútil. Continue lendo

ÔMEGA 3 – ESTUDO FALA QUE ELE TEM POUCA OU NENHUMA EFETIVIDADE

Uma revisão de estudos publicada pelo Instituto Cochrane reuniu diversos estudos sobre os efeitos do ômega 3 e descobriu que o suplemento fornece pouco ou nenhum benefício na maioria dos resultados que eles observaram.

O Cochrane se dedica a analisar e compilar uma série de estudos de saúde para que os diferentes dados fiquem disponíveis para as pessoas com análises claras sobre os possíveis efeitos na saúde. A instituição independente declara que não recebe patrocínio de empresas para que não haja conflito de interesse nos resultados divulgados.

A revisão publicada na Cochrane Library, combina os resultados de 79 estudos envolvendo 112.059 pessoas. Estes estudos avaliaram os efeitos do consumo de gordura ômega 3 adicional, em comparação com ômega 3 usual ou menor, em doenças do coração e circulação. Vinte e cinco estudos foram avaliados como altamente confiáveis, porque foram bem desenvolvidos e conduzidos. Continue lendo

ESTUDO FALA SOBRE RISCO DE MEDICAMENTOS QUE PODEM LEVAR A DEPRESSÃO

Medicamentos comuns como antinflamatórios, analgésicos, antialérgicos, anticoncepcionais e outros podem causas efeitos colaterais bem sérios e precisam ser usados com cautela.

Entende-se como um efeito colateral o efeito diferente daquele considerado como principal por um fármaco. Esse termo deve ser distinguido de efeito adverso, que se refere a um efeito colateral indesejado, pois um fármaco pode causar outros efeitos potencialmente benéficos além do principal. Como exemplo podem ser citados a amnésia temporária causada por sedativos e a sonolência em anti-histamínicos, que podem ser benéficos ou adversos dependendo da situação.

Muitos se surpreenderiam ao saber que sua medicação, embora não tenha nada a ver com o estado de ânimo, a ansiedade ou qualquer outra condição normalmente associada à depressão, pode aumentar seu risco de ter sintomas depressivos e levar a um diagnóstico de depressão. Continue lendo

PÍLULA PARA DETECÇÃO DE CÂNCER DE MAMA ESTÁ EM ESTUDO

Quem é mulher sabe da importância de realizar anualmente o exame de mamografia, útil para encontrar possíveis focos de câncer de mama. O problema é que o procedimento nem sempre fornece resultados precisos e ainda expõe as pacientes à radiação.

No entanto, um estudo publicado na revista Molecular Pharmaceutics, relata que os cientistas desenvolveram uma “pílula de rastreio de doenças” não invasiva, que conseguiu iluminar tumores cancerígenos em camundongos, quando expostos à luz infravermelha –e sem uso de raio X. Continue lendo