DOENÇA DE HAFF – ENTENDA

A doença de Haff foi inicialmente relatada na região báltica em 1924, sendo definida como rabdomiólise1 não explicada em uma pessoa que consumiu pescado nas 24 horas que antecederam o início dos sintomas.

Desde a primeira publicação, foram relatados surtos de doença de Haff na Suécia, na antiga União Soviética, nos Estados Unidos, Brasil e China.

A doença de Haff é uma síndrome clínica rara e seu prognóstico é bom quando o paciente recebe tratamento em tempo hábil.

A etiologia da doença de Haff ainda é obscura. A possível causa envolve uma toxina biológica termoestável desconhecida que se acumularia no alimento implicado; contudo, essa toxina não foi até aqui identificada.

Alguns peixes e frutos do mar que foram consumidos por pacientes diagnosticados com a doença de Haff incluem o Tambaqui, Pacu-Manteiga, Pirapitinga e Lagostin, no Brasil, e a maioria dos casos ocorreram em épocas de epidemia. Inicialmente houve suspeita de que essa doença fosse causada pelo envenenamento por arsênio ou mercúrio mas não ficou comprovado.

Continue lendo