PRINCIPAIS CURIOSIDADES SOBRE DIABETES TIPO 2

O diabetes mellitus tipo 2 (DM2) corresponde a 90 a 95% de todos os casos de Diabetes Mellitus. Possui etiologia complexa e multifatorial, envolvendo componentes genético e ambiental.

Geralmente, o DM2 acomete indivíduos a partir da quarta década de vida, embora se descreva, em alguns países, aumento na sua incidência em crianças e jovens.

Trata-se de doença poligênica, com forte herança familiar, ainda não completamente esclarecida, cuja ocorrência tem contribuição significativa de fatores ambientais. Dentre eles, hábitos dietéticos e inatividade física, que contribuem para a obesidade, destacam-se como os principais fatores de risco. Continue lendo

PESQUISADORES DEFENDEM QUE EXISTEM CINCO TIPOS DE DIABETES

Nenhuma outra doença avança tanto no mundo quanto a diabetes, mas o que existe de tratamento hoje é insuficiente para lidar com um mal que, nos cálculos da Organização Mundial da Saúde (OMS), afeta 425 milhões de pessoas, com projeção de aumento para 629 milhões nas próximas três décadas. Para um grupo de pesquisadores da Universidade de Lund, na Suécia, o problema pode estar na classificação desse distúrbio endocrinológico. Embora os médicos reconheçam que não se pode falar em uma única enfermidade, a diabetes é dividida em dois tipos: o 1, responsável por 10% dos casos, e o 2 (também conhecido como melitus), que abrange o restante.

Essa classificação tem mais de 20 anos e, na opinião da equipe de Lund, está desatualizada. Segundo os pesquisadores, a diabetes deveria ser dividida em cinco tipos, cada um com especificidades exigindo abordagens de prevenção e manejo diferentes. Da forma como é hoje, argumentam, os tratamentos não atendem às necessidades dos pacientes e, assim, acabam falhando. “Uma classificação mais refinada pode nos dar uma ferramenta poderosa para identificar, no diagnóstico, aquelas pessoas em risco aumentado de complicações. Esse é o caminho da personalização dos regimes de tratamento”, defende Leif Groop, professor de endocrinologia e especialista em diabetes da Universidade de Lund.  Continue lendo

POLIARTERITE NODOSA

A poliarterite nodosa (PAN), ou doença de Kussmaul-Meier é uma inflamação que danifica artérias medianas e pequenas causado pelas células autoimunes, levando a formação de aneurismas nodulares nestes vasos que podem romper e sangrar. Quando superficiais podem ser vistos ou apalpados.

A poliarterite nodosa (PAN) é rara (cerca de 2 a 33 casos/milhão). Ela afeta adultos de meia-idade e a incidência aumenta com a idade; o aparecimento mais comum dá-se na faixa dos 50 anos.

Costuma afetar pessoas entre os 40-60 anos e é duas vezes mais comum em homens.

A causa é desconhecida, mas é aparentemente desencadeada por certos tipos de infecções virais (por exemplo, hepatite B) ou medicamentos. Cerca de 20% das pessoas com poliarterite nodosa têm hepatite B. Os medicamentos podem causar a doença, mas na maioria das vezes o fator desencadeador não pode ser identificado. Continue lendo

HEPATITE AUTOIMUNE

A hepatite autoimune (HAI) é doença necroinflamatória crônica do fígado, cujos agentes desencadeantes ainda não estão estabelecidos. A fisiopatogenia da doença é pouco conhecida; provavelmente, decorrente da interação entre predisposição genética e agente desencadeador externo (infecciosos, drogas ou toxinas). O background genético afeta a ocorrência, o quadro clínico e a resposta terapêutica.

Apresenta ocorrência universal e sua prevalência mundial permanece desconhecida. No Brasil, apesar dos poucos estudos realizados, é responsável por 5-19% das doenças hepáticas dos principais centros, por menos de 5% dos pacientes em lista de transplante.

Nesta doença, basicamente, o que ocorre é um ataque dos anticorpos, responsáveis por proteger o organismo, as células saudáveis do fígado sem motivo aparente. A consequência é que com a destruição dessas células o órgão fica prejudicado.

Sem o tratamento adequado a hepatite autoimune pode levar a um quadro de cirrose com suas complicações.

Continue lendo

SARCOIDOSE A DOENÇA DE BESNIER-BOECK: ENTENDA

A sarcoidose é uma doença autoimune crônica que aparece mais comumente em adultos jovens, entre 25 e 40 anos, embora possa afetar pessoas em qualquer idade, sendo rara na infância. Também é conhecida pelo nome de Doença de Besnier-Boeck.

É uma doença granulomatosa multisistêmica de etiologia desconhecida, caracterizada pela presença de granulomas não caseosos nos órgãos envolvidos. Geralmente os granulomas aparecem nos pulmões e linfonodos.

Aparece mais comumente em adultos jovens, preferencialmente do sexo feminino e é 3 ou 4 vezes mais comum em negros. Afeta 2 em cada 10 mil habitantes.

Continue lendo

LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO: O QUE É?

O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES ou lúpus) é uma doença autoimune do tecido conjuntivo, de causa desconhecida que pode afetar qualquer parte do corpo. Assim como ocorre em outras doenças autoimunes, o sistema imune ataca as próprias células e tecidos do corpo, resultando em inflamação e dano tecidual.

O lúpus pode ocorrer em pessoas de qualquer idade, raça e sexo, porém as mulheres são muito mais acometidas.

O LES acomete aproximadamente uma em cada 1000 pessoas da raça branca e uma em cada 250 pessoas negras, sendo muito mais frequente no sexo feminino, com proporção de 10 mulheres para cada 1 homem. A doença se inicia principalmente entre a segunda e terceira década de vida, embora possa aparecer em crianças e idosos.

Continue lendo

VITILIGO: INFORMAÇÕES

O vitiligo é uma doença caracterizada pela perda da coloração da pele. As lesões formam-se devido à diminuição ou à ausência de melanócitos (células responsáveis pela formação da melanina, pigmento que dá cor à pele) nos locais afetados.

As causas do vitiligo ainda não estão bem esclarecidas. Fatores genéticos parecem ser importantes, já que 20 a 30% dos pacientes com vitiligo têm história familiar positiva para a doença. Atualmente acredita-se que a doença tenha uma origem autoimune, havendo uma produção inapropriada de anticorpos e linfócitos T contra os melanócitos, as células responsáveis pela produção de pigmento da pele.

Esta doença afeta cerca de 1% da população mundial. Acomete indivíduos de todas as origens étnicas e ambos os sexos, mas é muito mais facilmente notado na pele mais escura como áreas que não bronzeiam.

Continue lendo