PESQUISADORES DEFENDEM QUE EXISTEM CINCO TIPOS DE DIABETES

Nenhuma outra doença avança tanto no mundo quanto a diabetes, mas o que existe de tratamento hoje é insuficiente para lidar com um mal que, nos cálculos da Organização Mundial da Saúde (OMS), afeta 425 milhões de pessoas, com projeção de aumento para 629 milhões nas próximas três décadas. Para um grupo de pesquisadores da Universidade de Lund, na Suécia, o problema pode estar na classificação desse distúrbio endocrinológico. Embora os médicos reconheçam que não se pode falar em uma única enfermidade, a diabetes é dividida em dois tipos: o 1, responsável por 10% dos casos, e o 2 (também conhecido como melitus), que abrange o restante.

Essa classificação tem mais de 20 anos e, na opinião da equipe de Lund, está desatualizada. Segundo os pesquisadores, a diabetes deveria ser dividida em cinco tipos, cada um com especificidades exigindo abordagens de prevenção e manejo diferentes. Da forma como é hoje, argumentam, os tratamentos não atendem às necessidades dos pacientes e, assim, acabam falhando. “Uma classificação mais refinada pode nos dar uma ferramenta poderosa para identificar, no diagnóstico, aquelas pessoas em risco aumentado de complicações. Esse é o caminho da personalização dos regimes de tratamento”, defende Leif Groop, professor de endocrinologia e especialista em diabetes da Universidade de Lund.  Continue lendo

SINTOMAS DA GLICOSE ALTA (HIPERGLICEMIA)

A Glicose é um dos carboidratos mais importantes na biologia. As células a usam como fonte de energia e intermediário metabólico.

A glicose alta ou hiperglicemia como também é conhecida, pode ser causada por diversos fatores, entre eles o uso de determinados medicamentos, maus hábitos alimentares e também devido a alteração do metabolismo.

Porém uma das principais causas de glicose alta ou hipoglicemia é devido às diabetes mellitus que é uma das doenças consideradas uma das mais letais do mundo. Continue lendo

GLICEMIA E HEMOGLOBINA GLICADA: PARA QUE SERVEM ESTES EXAMES?

Os exames de glicemia e hemoglobina glicada medem a quantidade de glicose no sangue. E eles podem se gabar por serem os mais utilizados no diagnóstico e acompanhamento do diabetes.

Que tal aproveitar o Dia Mundial do Diabetes para conhecer mais sobre ambos? Vamos lá:

O teste de glicemia detecta a hipo e a hiperglicemia, ou seja, quando há pouco ou muito açúcar em circulação. O segundo quadro denuncia o diabetes mesmo quando não há sintomas da doença. Continue lendo

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DE SAÚDE DO HOMEM MODERNO

Nossos dias são divididos entre trabalho, família, estudos e todas as atividades que precisamos cumprir. Esta rotina faz com que a grande maioria das pessoas se esqueçam do que deveria ser prioridade: a saúde.

A impressão que se tem é que os dias estão menores para tantas obrigações, e a falta de cuidados com a própria saúde prejudica o desempenho profissional e até mesmo as relações sociais.

Veja abaixo os 7 principais problemas de saúde, enfrentados pelo homem moderno: Continue lendo

METFORMINA: RESUMO FARMACOLÓGICO

A Metformina é um medicamento antidiabético oral da classe das biguanidas, tendo como principais nomes comerciais no Brasil: Glifage, Dimefor, Glucoformin, Glucophage.

Chamam-se biguanidas uma classe de fármacos utilizadas como hipoglicemiantes, que diferentemente das sulfoniluréias, não afetam a liberação de insulina no corpo. A ação de redução nos níveis de glicose sanguínea não depende das células beta pancreáticas.

O desenvolvimento da classe das biguanidas foi derivado do estudo dos efeitos da planta Galega officinalis, amplamente usada na Europa desde a Idade Média como um tratamento popular para a poliúria do diabetes. Continue lendo

INFARTO AINDA É A MAIOR CAUSA DE MORTE NO MUNDO

A possibilidade de infarto, assim como muitas outras doenças aumenta com a idade. O infarto é como uma gangrena (morte e apodrecimento), resultante da falta de alimentação do músculo do coração, geralmente diante do entupimento parcial ou total das artérias. Isso pode levar à morte súbita, tardia ou provocar insuficiência cardíaca.

O estreitamento do calibre (largura) dos canais de circulação do sangue pode levar a rupturas de placas de gordura depositadas no interior das artérias coronárias, que irrigam o coração. Isso aumenta a possibilidade de formação de coágulos que podem entupir as artérias e causar o infarto do miocárdio (a “parede” do órgão). Em 50% das ocasiões, o infarto é a primeira manifestação da doença coronária.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no mundo. O cigarro é o maior fator de risco, porque a nicotina é um vaso constritor (provoca contração) que reduz o calibre dos vasos sanguíneos e produz lesões na parede que recobre internamente esses vasos. Continue lendo

SINAIS QUE O CORPO DÁ ANTES DE UM INFARTO

Também chamado de ataque cardíaco, o infarto acontece quando os vasos sanguíneos que fornecem sangue ao coração ficam bloqueados, impedindo que chegue oxigênio suficiente ao órgão. O músculo cardíaco morre ou fica danificado permanentemente.

Esse bloqueio do sangue e oxigênio acontece tanto por conta dos hábitos ruins que a pessoa cultivou durante a vida – como fumar, beber, não fazer atividade física e ter colesterol alto, como também em uma situação de estresse agudo, em que as artérias do coração, mesmo sem nenhum depósito de gorduras, acabam se contraindo e impedindo a passagem do líquido vital cheio de oxigênio.

Cerca de 30% das mortes no Brasil acontecem por causa de doenças cardiovasculares, a maior causa de óbitos no mundo todo, sendo o infarto o grande vilão. Também chamado de infarto agudo do miocárdio pode ser fatal. Continue lendo