PERDA DE MEMÓRIA: COMPORTAMENTOS E SINAIS DE ALERTA

A perda de memória, principalmente a de curto prazo, deve ser tratada como um sinal de alerta a ser investigada, uma vez que ela pode ser o primeiro sinal visível para a doença de Alzheimer.

Por outro lado, não só pessoas mais velhas e idosos sofrem com esse problema que pode afetas todas as idades e pode ter causas comuns e comportamentais tanto quanto causas fisiológicas que precisam de acompanhamento médico.

A memória de curto prazo e a memória de longo prazo são armazenadas em partes diferentes do cérebro. A memória de longo prazo é armazenada em muitas partes do cérebro. Uma parte específica do cérebro (hipocampo) ajuda a classificar informações novas e associá-las a informações semelhantes já armazenadas no cérebro. Esse processo torna memórias de curto prazo em memórias de longo prazo. Quanto mais as memórias de curto prazo são lembradas ou repetidas, mais provável é que se tornem memórias de longo prazo.

Em geral, se a pessoa estiver ciente da perda de memória a ponto de se preocupar com ela, a pessoa não tem demência precoce. Continue lendo

DEPRESSÃO: COMO ELA AFETA A FAMÍLIA?

Quando usamos o termo depressão, estamos falando de uma condição médica comum, com sintomas muito específicos. Esses sintomas têm uma intensidade e duração significantes e podem afetar as funções e o bem-estar de uma pessoa, de várias formas.

Esse tipo de depressão requer tratamento, uma vez que pode prejudicar seriamente a capacidade de uma pessoa desempenhar as atividades inerentes a uma vida normal, no trabalho, e em seus relacionamentos.

A depressão pode afetar de inúmeras formas o nível de humor, a perspectiva de vida, o comportamento e as funções físicas de uma pessoa. Sentimento de ansiedade ou uma sensação de medo de que algo de terrível está para acontecer, com frequência acompanha os sintomas da depressão.

O pensamento depressivo geralmente está muitas vezes associado a uma baixa autoestima e pode tomar a forma de ideias negativas sobre si mesmo e o seu futuro. Continue lendo

DEPRESSÃO ATÍPICA

A depressão é uma doença mental caracterizada por sentimentos de profunda tristeza e falta de interesse em atividades. É um estado de desânimo persistente que afeta a capacidade de funcionar e apreciar diferentes aspectos da vida

A depressão atípica é a depressão com períodos de melhor humor em resposta a eventos positivos. A variedade atípica também apresenta alguns sintomas que geralmente não são encontrados na depressão.

A causa da depressão atípica é desconhecida, mas é provavelmente devido a mudanças na química do cérebro. É provavelmente o resultado de uma combinação de fatores genéticos e ambientais.

Embora a causa exata da depressão não tenha sido claramente estabelecida, existem vários fatores relacionados à depressão atípica, como os seguintes: Continue lendo

ALCOOLISMO

O alcoolismo é a incapacidade de controlar a ingestão de álcool devido a dependência física e emocional. Pode ser também definido como um termo amplo para descrever qualquer consumo de álcool que cause problemas de saúde físicos ou mentais.

O alcoolismo é caracterizado pela vontade incontrolável de beber, falta de controle ao tentar parar a ingestão, tolerância ao álcool (doses cada vez maiores para sentir os efeitos da bebida) e dependência física, que se manifesta com sintomas físicos e psíquicos nas situações de abstinência alcoólica.

O diagnóstico de alcoolismo não tem relação com o tipo e quantidade da substância ingerida pela pessoa, mas sim à capacidade em controlar o consumo de bebida. Continue lendo

DOR CRÔNICA

Dor crônica é aquela que persiste ou recorre por meses, persiste por mais de 1 mês após a resolução de uma lesão tecidual aguda ou acompanha uma lesão que não se cura. 

A dor crônica pode tornar o sistema nervoso mais sensível à dor. Por exemplo, a dor crônica estimula repetidamente as fibras nervosas e as células que detectam, enviam e recebem sinais de dor. Estimulação repetida pode alterar a estrutura das fibras e células nervosas (chamado remodelação) ou fazer com que as mesmas fiquem mais ativas. Por conseguinte, pode ocorrer dor com uma estimulação que normalmente não seria dolorida, ou o estímulo doloroso pode parecer mais forte. Este efeito é chamado sensibilização.

Além disso, áreas do tecido muscular e conjuntivo podem tornar-se muito sensíveis ao toque. Estas áreas são chamadas pontos-gatilho uma vez que ao tocá-las, frequentemente há o desencadeamento de dores inexplicadas que irradiam para outras áreas do corpo. Continue lendo

DEPRESSÃO EM IDOSOS – ALGUMAS CARACTERÍSTICAS

A depressão afeta cerca de uma em cada seis pessoas idosas. Algumas pessoas idosas já tiveram depressão mais cedo nas suas vidas. Outras a desenvolveram pela primeira vez depois de idosas.

Algumas causas de depressão podem ser mais comuns entre pessoas idosas. Por exemplo, pessoas idosas têm mais probabilidade de viverem eventos emocionalmente angustiantes que envolvem uma perda, como a morte da pessoa amada ou a perda de uma vizinhança familiar, como na mudança para outro local.

Outras fontes de estresse, como redução da renda, piora de uma doença crônica, perda gradual da independência ou isolamento social, também podem contribuir. Continue lendo

ESTRESSE CRÔNICO

O Estresse Crônico é a resposta física, psicológica e emocional do corpo humano a pressão do estresse sofrido pelo indivíduo, por um tempo prolongado e contínuo. Envolve uma resposta do sistema endócrino no qual corticosteroides são liberados.

Embora os efeitos imediatos dos hormônios do estresse, como epinefrina e cortisol, sejam benéficos em uma determinada situação de curto prazo, a exposição a longo prazo ao estresse cria um nível elevado desses hormônios, o que leva ao aparecimento de doenças e síndromes psicológicas.

O estresse tem um papel nos seres humanos como um método de reagir a situações difíceis e possivelmente perigosas, conhecido como reação de “luta” e “fuga”. Esta resposta é perceptível quando as glândulas adrenais liberam epinefrina, fazendo com que os vasos sanguíneos se contraiam e a frequência cardíaca aumente. Além disso, o cortisol é outro hormônio que é liberado sob estresse e sua finalidade é aumentar o nível de glicose no sangue. A glicose é a principal fonte de energia para as células humanas e seu aumento durante o tempo de estresse é com a finalidade de ter energia prontamente disponível para as células mais ativas. Continue lendo