DEPRESSÃO EM IDOSOS – ALGUMAS CARACTERÍSTICAS

A depressão afeta cerca de uma em cada seis pessoas idosas. Algumas pessoas idosas já tiveram depressão mais cedo nas suas vidas. Outras a desenvolveram pela primeira vez depois de idosas.

Algumas causas de depressão podem ser mais comuns entre pessoas idosas. Por exemplo, pessoas idosas têm mais probabilidade de viverem eventos emocionalmente angustiantes que envolvem uma perda, como a morte da pessoa amada ou a perda de uma vizinhança familiar, como na mudança para outro local.

Outras fontes de estresse, como redução da renda, piora de uma doença crônica, perda gradual da independência ou isolamento social, também podem contribuir. Continue lendo

ESTRESSE CRÔNICO

O Estresse Crônico é a resposta física, psicológica e emocional do corpo humano a pressão do estresse sofrido pelo indivíduo, por um tempo prolongado e contínuo. Envolve uma resposta do sistema endócrino no qual corticosteroides são liberados.

Embora os efeitos imediatos dos hormônios do estresse, como epinefrina e cortisol, sejam benéficos em uma determinada situação de curto prazo, a exposição a longo prazo ao estresse cria um nível elevado desses hormônios, o que leva ao aparecimento de doenças e síndromes psicológicas.

O estresse tem um papel nos seres humanos como um método de reagir a situações difíceis e possivelmente perigosas, conhecido como reação de “luta” e “fuga”. Esta resposta é perceptível quando as glândulas adrenais liberam epinefrina, fazendo com que os vasos sanguíneos se contraiam e a frequência cardíaca aumente. Além disso, o cortisol é outro hormônio que é liberado sob estresse e sua finalidade é aumentar o nível de glicose no sangue. A glicose é a principal fonte de energia para as células humanas e seu aumento durante o tempo de estresse é com a finalidade de ter energia prontamente disponível para as células mais ativas. Continue lendo

ESTUDO FALA SOBRE RISCO DE MEDICAMENTOS QUE PODEM LEVAR A DEPRESSÃO

Medicamentos comuns como antinflamatórios, analgésicos, antialérgicos, anticoncepcionais e outros podem causas efeitos colaterais bem sérios e precisam ser usados com cautela.

Entende-se como um efeito colateral o efeito diferente daquele considerado como principal por um fármaco. Esse termo deve ser distinguido de efeito adverso, que se refere a um efeito colateral indesejado, pois um fármaco pode causar outros efeitos potencialmente benéficos além do principal. Como exemplo podem ser citados a amnésia temporária causada por sedativos e a sonolência em anti-histamínicos, que podem ser benéficos ou adversos dependendo da situação.

Muitos se surpreenderiam ao saber que sua medicação, embora não tenha nada a ver com o estado de ânimo, a ansiedade ou qualquer outra condição normalmente associada à depressão, pode aumentar seu risco de ter sintomas depressivos e levar a um diagnóstico de depressão. Continue lendo

FATORES QUE DIMINUEM A LIBIDO FEMININA

A base hormonal do impulso sexual feminino está vinculada principalmente à testosterona, hormônio que é capaz de estimular a atividade sexual e baixos níveis do mesmo podem prejudicar o desejo, sem necessariamente comprometer toda a resposta sexual feminina. Elevados níveis de prolactina interferem na atividade dopaminérgica central, levando à diminuição da libido.

Os neurotransmissores são de suma importância na resposta sexual feminina, sendo a dopamina um combustível para o sexo e a serotonina antissexual. Fases como pós-parto, amamentação, menopausa geralmente estão acompanhadas de baixa libido por alterações hormonais e de neurotransmissores.

A sexualidade é capaz de influenciar a saúde física e mental da mulher, e quando a mulher tem uma atividade sexual satisfatória isso se reflete em sua pele, cabelos, humor, autoconfiança e sensação de bem-estar. O transtorno de qualquer uma das fases da resposta sexual (desejo, excitação, orgasmo e resolução) pode acarretar o surgimento de disfunções sexuais. Continue lendo

TRANSTORNO DEPRESSIVO: ALGUNS CONCEITOS

Um transtorno depressivo é uma doença que envolve o corpo, o humor e os pensamentos. Ele afeta a maneira da pessoa se alimentar e dormir, como ela se sente em relação a si própria e como se pensa sobre as coisas.

Um transtorno depressivo não é o mesmo que uma tristeza passageira. As pessoas com uma doença depressiva não podem simplesmente “se acalmar” e melhorar. Sem tratamento os sintomas podem durar semanas, meses ou anos. Um tratamento apropriado, porém, pode ajudar muitas pessoas que sofrem de depressão.

Continue lendo

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA DEPRESSÃO NÃO TRATADA

Não tratar a depressão ou não ter auxílio adequado, incluindo medicação e/ou terapia, faz com que a depressão clínica se arraste por meses ou anos. Esse quadro leva a consequências adicionais graves de impacto pessoal e familiar muito sério.

As consequências da depressão não tratada começam pelo aumento da probabilidade de comportamentos de risco, problemas adicionais de saúde de manifestação física e psicológica, abuso de álcool e outras drogas e mais.

Continue lendo

ALGUMAS DÚVIDAS SOBRE DEPRESSÃO

depressao1

A depressão é a quarta principal causa de incapacitação em todo o mundo e, de acordo com projeções da Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2030 ela será o mal mais prevalente do planeta, à frente de câncer e de algumas doenças infecciosas. Hoje, segundo um estudo epidemiológico publicado na revista especializada BMC Medicine, 121 milhões de pessoas estão deprimidas.

 


– O que é depressão?
A depressão é uma doença que afeta corpo e mente e manifesta-se por sintomas emocionais e físicos. É caracterizada por sinais que interferem na habilidade para trabalhar, estudar, comer, dormir e apreciar atividades antes agradáveis. Continue lendo