SINUSITE x RINITE: DIFERENÇAS

É comum associar os dois casos porque uma rinite pode desencadear a sinusite, mas é importante lembrar são doenças distintas.

A rinite não tem cura na maioria das vezes, mas a sinusite sim. Em alguns casos é preciso recorrer a intervenção cirúrgica, mas é possível obter a cura até para a sinusite crônica.

A rinite é uma inflamação da mucosa do nariz, que pode ser infecciosa ou causada por agentes alergênicos. Os sintomas são, geralmente, nariz entupido, coriza (secreção clara e fluida), coceira no nariz e espirros.

A sinusite é provocada pela inflamação da mucosa dos seios da face. Essas cavidades, podem ficar entupidas prejudicando o fluxo normal do muco. O acúmulo do muco favorece a proliferação de bactérias causando a sinusite. O quadro agudo da sinusite manifesta sintomas mais incisivos como dores fortes na face, tosse, febre e muita secreção no nariz. Continue lendo

CARACTERÍSTICAS DE ALGUMAS DORES DE CABEÇA

As dores de cabeça atingem mais de 70% da população brasileira, segundo a Sociedade Brasileira de Cefaleia (SBC), que estima existirem mais de 200 tipos da dor, entre enxaqueca e cefaleias.

O desconforto causado pelas dores afeta diretamente a qualidade de vida das pessoas, por isso é importante saber identificar seus tipos e sintomas.

Além de conhecer as características de cada dor, é importante seguir as orientações de um farmacêutico ou médico para combatê-las de forma eficaz e segura. Continue lendo

ERGOTAMINA: INFORMAÇÕES

A ergotamina é um alcaloide vasoconstritor utilizado nas crises de enxaqueca, quando o tratamento com antinflamatórios não estereoidais não proporciona efeito. A ergotamina pode provocar náuseas e vômitos devido a efeitos diretos no Sistema Nervoso Central.

Substância (C33H35N5O5) presente no esporão do trigo.

No século XVII, o fungo (Claviceps purpurea) um parasita que ataca o centeio, e do qual se extraem vários alcaloides e substâncias de uso medicinal, foi utilizado através do seu extrato na obtenção dos alcaloides da ergotamina, para o tratamento de dores de cabeça fortes ou enxaquecas, e até hoje é utilizado através da extração de alcaloides e preparos utilizados na medicina.

Continue lendo

OS PRINCIPAIS TIPOS DE DORES DE CABEÇA

Dores de cabeça estão entre os problemas de saúde mais comuns. Segundo dados médicos em todo o mundo, 40% das pessoas sofrem pelo menos de uma dor aguda na região por ano. As causas podem estar na ingestão de álcool e alimentos, outros problemas de saúde e principalmente em momentos de tensão, já que 90% dos casos esporádicos resultam de estresse.

Shutterstock ID 142814494; PO: 100 47953; Job: Shutterstock; Other: Public Affairs

A dor não está no cérebro. O desconforto pode atingir qualquer parte da cabeça, desde a pele, músculos, veias, dentes e terminações nervosas. Se chegar até as células cerebrais é porque não se trata de dor e, sim, de um problema mais sério. Um bom diagnóstico precisa levar em consideração as características da dor, que pode ser latejante, como se fosse uma pressão ou uma pontada, sua intensidade, a área afetada, frequência e duração.

Vale lembrar, que se a dor de cabeça estiver associada a outros sintomas, como febre, tremores, perda de visão, tonturas e vômitos constantes, por exemplo, somente o médico poderá dizer qual a causa desse problema.

Conheça abaixo os tipos mais comuns de dores de cabeça, presentes na população:

Continue lendo

O QUE É ENXAQUECA? COMO RECONHECER E COMO TRATAR?

Enxaqueca é uma doença neurovascular que se caracteriza por crises repetidas de dor de cabeça que podem ocorrer com uma frequência bastante variável: enquanto alguns pacientes apresentam poucas crises durante toda a vida, outros relatam diversos episódios a cada mês.

A enxaqueca é uma doença muito mais comum do que se imagina. Estudos mostram que chega a afetar cerca de 20% das mulheres e 5 a 10% da população masculina. Trata-se de uma doença crônica de alto custo pessoal, social e econômico. Entretanto, é frequentemente tratada como uma simples dor de cabeça, não chegando a receber os medicamentos específicos e mais eficazes, já disponíveis no país.

Uma crise típica de enxaqueca é reconhecida pela dor que envolve metade da cabeça, piora com qualquer atividade física e está frequentemente associada à náusea, vômitos e desconforto com a exposição à luz e sons altos, podendo durar até 72 h. Um conjunto de sintomas neurológicos, conhecido pelo nome de aura1, costuma acompanhar o quadro de dor. Portanto, não se trata de uma simples dor de cabeça.


Continue lendo