CARGA VIRAL INDETECTÁVEL PARA HIV+: O QUE POSSO OU NÃO POSSO FAZER?

Falando em HIV, sabemos que ter o HIV não é a mesma coisa que ter Aids. Há muitos soropositivos que vivem anos sem apresentar sintomas e sem desenvolver a doença. Mas podem transmitir o vírus, quando não tomam as devidas medidas de prevenção necessárias.

Isso porque ao ser portador do Vírus da Imunodeficiência Adquirida –  HIV, o vírus estará presente entre suas células do sangue e a quantidade dele é determinada pela carga viral do portador.

A carga viral representa a rapidez com que o HIV se está reproduzindo. Quando as pessoas são infectadas, a carga viral aumenta rapidamente E àquelas pessoas que não sabem ou ainda não forma tratadas, são capazes de transmitir esse vírus a terceiros.

Leia mais sobre carga viral em:  HIV: CARGA VIRAL

Para as pessoas que iniciam o tratamento e convivem com o vírus HIV seu status pode mudar para carga viral indetectável, mas o que isso significa? Continue lendo

HIV: CARGA VIRAL

A quantidade de HIV no sangue (especificamente o número de cópias de RNA do HIV) chama-se carga viral.

A carga viral representa a rapidez com que o HIV se está reproduzindo. Quando as pessoas são infectadas, a carga viral aumenta rapidamente. Em seguida, depois de cerca de três a seis meses, mesmo sem tratamento, ela cai para um nível mais baixo, o qual permanece constante, chamado de ponto de regulação. Este nível varia amplamente de pessoa a pessoa, de apenas algumas centenas a mais de um milhão de cópias por microlitro de sangue.

A carga viral também indica

  • O quanto a infecção é contagiosa
  • Com que rapidez a contagem de CD4 tem probabilidade de diminuir
  • Com que rapidez os sintomas têm probabilidade de surgir

Continue lendo

NOVO ANTICORPO CONTRA HIV

Em um estudo publicado na revista Nature Medicine, os pesquisadores relatam terem conseguido reduzir o número de cópias do HIV ao administrarem apenas uma dose de um anticorpo chamado 10-1074. É a primeira vez que esse anticorpo foi testado em seres humanos. Segundo o grupo liderado por Nussenzweig, os resultados ampliam as perspectivas de se obter uma nova classe de drogas com diferentes mecanismos de ação contra o HIV, enquanto não há vacina disponível.

O anticorpo 10-1074 pertence a uma geração de anticorpos que têm se mostrado eficazes no combate a uma grande variedade de cepas do HIV. Mais potentes do que os habituais, esses anticorpos são produzidos naturalmente por alguns pacientes e, em seguida, clonados e reproduzidos em laboratório.

Continue lendo