DEPRESSÃO: COMO ELA AFETA A FAMÍLIA?

Quando usamos o termo depressão, estamos falando de uma condição médica comum, com sintomas muito específicos. Esses sintomas têm uma intensidade e duração significantes e podem afetar as funções e o bem-estar de uma pessoa, de várias formas.

Esse tipo de depressão requer tratamento, uma vez que pode prejudicar seriamente a capacidade de uma pessoa desempenhar as atividades inerentes a uma vida normal, no trabalho, e em seus relacionamentos.

A depressão pode afetar de inúmeras formas o nível de humor, a perspectiva de vida, o comportamento e as funções físicas de uma pessoa. Sentimento de ansiedade ou uma sensação de medo de que algo de terrível está para acontecer, com frequência acompanha os sintomas da depressão.

O pensamento depressivo geralmente está muitas vezes associado a uma baixa autoestima e pode tomar a forma de ideias negativas sobre si mesmo e o seu futuro. Continue lendo

DOR CRÔNICA

Dor crônica é aquela que persiste ou recorre por meses, persiste por mais de 1 mês após a resolução de uma lesão tecidual aguda ou acompanha uma lesão que não se cura. 

A dor crônica pode tornar o sistema nervoso mais sensível à dor. Por exemplo, a dor crônica estimula repetidamente as fibras nervosas e as células que detectam, enviam e recebem sinais de dor. Estimulação repetida pode alterar a estrutura das fibras e células nervosas (chamado remodelação) ou fazer com que as mesmas fiquem mais ativas. Por conseguinte, pode ocorrer dor com uma estimulação que normalmente não seria dolorida, ou o estímulo doloroso pode parecer mais forte. Este efeito é chamado sensibilização.

Além disso, áreas do tecido muscular e conjuntivo podem tornar-se muito sensíveis ao toque. Estas áreas são chamadas pontos-gatilho uma vez que ao tocá-las, frequentemente há o desencadeamento de dores inexplicadas que irradiam para outras áreas do corpo. Continue lendo

ATAQUE DE PÂNICO – O QUE É?

Ataques de pânico podem ocorrer em qualquer tipo de transtorno de ansiedade, geralmente em resposta a situações específicas relacionadas às principais características do transtorno. Por exemplo, uma pessoa com fobia de serpentes pode entrar em pânico ao deparar-se com uma. Esses ataques são chamados de ataques esperados. Entretanto, esses ataques de pânico situacionais diferem daqueles espontâneos e inesperados que normalmente ocorrem na síndrome do pânico. Esses ataques ocorrem sem uma causa aparente.

Ataques de pânico são comuns e ocorrem em pelo menos 11% dos adultos anualmente. A maioria das pessoas geralmente se recupera dos ataques de pânico sem tratamento, porém, algumas desenvolvem síndrome do pânico.

Todos os Ataques de Pânico são réplicas do primeiro ataque, em que a dor sentida foi tão grande que se começa a ter medo de a voltar a sentir. As pessoas podem sentir o primeiro episódio de Pânico em qualquer circunstância, como, por exemplo, a dormir, a conduzir, num centro comercial, em casa, entre outras situações. Continue lendo

ESTRESSE CRÔNICO

O Estresse Crônico é a resposta física, psicológica e emocional do corpo humano a pressão do estresse sofrido pelo indivíduo, por um tempo prolongado e contínuo. Envolve uma resposta do sistema endócrino no qual corticosteroides são liberados.

Embora os efeitos imediatos dos hormônios do estresse, como epinefrina e cortisol, sejam benéficos em uma determinada situação de curto prazo, a exposição a longo prazo ao estresse cria um nível elevado desses hormônios, o que leva ao aparecimento de doenças e síndromes psicológicas.

O estresse tem um papel nos seres humanos como um método de reagir a situações difíceis e possivelmente perigosas, conhecido como reação de “luta” e “fuga”. Esta resposta é perceptível quando as glândulas adrenais liberam epinefrina, fazendo com que os vasos sanguíneos se contraiam e a frequência cardíaca aumente. Além disso, o cortisol é outro hormônio que é liberado sob estresse e sua finalidade é aumentar o nível de glicose no sangue. A glicose é a principal fonte de energia para as células humanas e seu aumento durante o tempo de estresse é com a finalidade de ter energia prontamente disponível para as células mais ativas. Continue lendo