SÍNDROME DO OLHO SECO

Também conhecida como ceratoconjuntivite seca , esta condição se caracteriza pela secura da conjuntiva (membrana que reveste a pálpebra e cobre o branco do olho) e da córnea (camada transparente na frente da íris e da pupila).

Os olhos secos podem ter como causa a produção inadequada de secreção lacrimal (olhos secos e anômalos na composição aquosa da lágrima). Com esse tipo de doença, as glândulas lacrimais não produzem lágrimas suficientes para cobrir na totalidade a conjuntiva e a córnea com uma camada completa de lágrimas. Esse é o tipo mais comum em mulheres na pós-menopausa.

Olhos secos são comuns na síndrome de Sjögren. Raramente, olhos secos e anômalos na composição aquosa da lágrima podem ser sintoma de doenças como artrite reumatoide ou lúpus eritematoso sistêmico (lúpus).

A secura dos olhos também pode ser consequência de uma anomalia na composição das lágrimas, que resulta na sua rápida evaporação das lágrimas (olhos secos evaporativos). Apesar de as glândulas lacrimais produzirem uma quantidade suficiente de lágrimas, o grau de evaporação é tão rápido que toda a superfície do olho não consegue se manter coberta com uma camada completa de lágrimas durante algumas atividades ou em determinados ambientes.

A secura também pode ser resultado de os olhos estarem parcialmente abertos por algum tempo à noite (lagoftalmo noturno) ou devido a uma taxa insuficiente de piscadas (como ocorre na doença de Parkinson).


SINTOMAS

Os sintomas do olho seco são irritação, sensações de ardor, prurido e peso sobre as pálpebras, pressão na zona posterior do olho e sensação de areia nos olhos ou uma sensação de ter um objeto estranho no olho. As lesões disseminadas pela superfície do olho aumentam a sensação de incômodo e a sensibilidade à luz intensa. Os sintomas ficam piores

  • Com atividades nas quais a frequência do piscar diminui, sobretudo aquelas que requerem um grande esforço visual, como leitura, trabalhar no computador, dirigir ou ver televisão.
  • Em locais com vento ou poeira, ou áreas de fumantes e ambientes secos como no interior de aviões e em shopping centers; em áreas de baixa umidade; e espaços com ar condicionado (principalmente nos automóveis) ou quando ventiladores ou aquecedores estão sendo usados.
  • O uso de alguns medicamentos, como a isotretinoína, e alguns tranquilizantes, diuréticos, anti-hipertensivos, contraceptivos orais e anti-histamínicos, e outros medicamentos com efeitos anticolinérgicos

Os sintomas melhoram nos dias frios, chuvosos e nublados e em locais úmidos, como no chuveiro.

Mesmo no caso mais grave de olhos secos, é raro a perda de visão. No entanto, as pessoas acham que a visão embaçada ou a irritação na vista é tão grave, frequente e prolongada que será difícil que volte a funcionar normalmente. Em algumas pessoas com secura grave, a superfície da córnea fica mais espessa e podem surgir úlceras e cicatrizes. Por vezes, os vasos sanguíneos podem crescer através da córnea. As cicatrizes e o crescimento dos vasos sanguíneos podem comprometer a visão.


TRATAMENTO

As lágrimas artificiais aplicadas em intervalos curtos podem controlar o problema. Lágrimas artificiais são colírios preparados com substâncias que simulam lágrimas reais e ajudam a manter os olhos cobertos com mais umidade. Pomadas lubrificantes aplicadas antes de dormir duram mais do que as lágrimas artificiais e ajudam a evitar a secura pela manhã. Essas pomadas não devem ser usadas durante o dia porque podem embaçar a visão.

Colírios que contêm ciclosporina podem reduzir a inflamação associada à secura. Esses colírios ardem e levam meses antes de se perceber o efeito. A inflamação pode diminuir de modo significativo, embora o colírio funcione apenas em uma parcela da população. Evitar ambientes secos e correntes de ar e fumaça e utilizar umidificadores também pode ajudar.

Em casos mais graves, uma cirurgia pode ser indicada.



Fonte:

– MSD Manuals, Versão Saúde para a Família [Ceratoconjuntivite seca]. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-oftalmol%C3%B3gicos/doen%C3%A7as-da-c%C3%B3rnea/ceratoconjuntivite-seca

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *