SECREÇÃO VAGINAL

Uma secreção vaginal pode ser resultado de alterações normais na concentração de estrogênio. Quando a concentração está elevada, o estrogênio estimula o colo do útero a produzir secreções (muco), e uma pequena quantidade de muco pode ser excretada pela vagina. A concentração de estrogênio está elevada nas situações a seguir:

  • Durante os ciclos menstruais, alguns dias antes da liberação do óvulo
  • Em recém-nascidas durante uma semana ou duas após o nascimento, pois absorvem estrogênio da mãe antes de nascerem
  • Alguns meses antes de as meninas terem a menarca
  • Durante a gestação
  • Em mulheres que tomam medicamentos que contêm estrogênio ou que aumentam a produção do estrogênio (por exemplo, alguns medicamentos para fertilidade)

Normalmente, secreções normais não têm odor. Geralmente, são esbranquiçadas ou inconsistentes e claras. No decorrer da idade fértil, a quantidade e o aspecto podem variar durante o ciclo menstrual.


SECREÇÃO VAGINAL ANORMAL

Uma secreção vaginal é considerada anormal caso seja

  • Mais intensa do que a habitual
  • Mais consistente do que a habitual
  • Purulenta
  • Branca e grumosa (como queijo cottage)
  • Acinzentada, esverdeada, amarelada ou tingida de sangue
  • Fétida ou malcheirosa
  • Acompanhada de prurido (coceira), ardência, eritema ou dor

Geralmente, a causa da secreção vaginal anormal é a vaginite, que frequentemente é o resultado de uma irritação causada por algum produto químico ou de alguma infecção.

Prováveis causas de secreção vaginal dependem da idade.

Durante a infância, as causas comuns incluem:

  • Alguma infecção causada por bactérias oriundas do trato digestivo
  • Produtos químicos em espumas de banho ou sabonetes
  • Algum corpo estranho, como um pedaço de papel higiênico ou, às vezes, um brinquedo

Infecções podem ocorrer em condições precárias de higiene. Por exemplo, meninas, sobretudo entre dois e seis anos de idade, podem levar bactérias do trato digestivo à região genital ao enxugarem-se de trás para frente ou não lavarem as mãos após evacuar.

Se a causa for algum corpo estranho, a secreção pode conter pequenas quantidades de sangue.

Durante a idade fértil, a causa da secreção geralmente é alguma infecção vaginal. As mais comuns são:

  • Vaginose bacteriana
  • Candidíase (um tipo de infecção fúngica)
  • Vaginite por Trichomonas (tricomoníase da vagina) que em geral é sexualmente transmissível

Às vezes, a causa da secreção é outra infecção, inclusive doenças sexualmente transmissíveis (por exemplo, gonorreia ou infecção por clamídia).

Geralmente, as infecções vaginais são prevenidas por meio de bactérias protetoras, os lactobacilos, que normalmente estão presentes na vagina. Essas bactérias mantêm o nível normal de acidez da vagina. Quando a acidez na vagina aumenta, o número de bactérias protetoras diminui, enquanto o número de bactérias nocivas aumenta.

As mais prováveis causas do crescimento de bactérias nocivas e, consequentemente, do aumento de risco de infecções vaginais, são:

  • Uso de antibióticos, pois podem reduzir o número de bactérias protetoras
  • Sangue menstrual ou sêmen na vagina, pois reduzem a acidez da vagina
  • Higiene ruim
  • Duchas frequentes, pois pode reduzir a acidez da vagina
  • Gravidez
  • Diabetes mellitus
  • Um corpo estranho, como um absorvente interno esquecido (uma vez que os absorventes internos oferecem um ambiente morno e úmido onde as bactérias podem viver e se multiplicar)

Após a menopausa, muitas mulheres apresentam secreção anormal. Ocorre porque a diminuição na concentração de estrogênio causa o adelgaçamento e ressecamento da vagina. Adelgaçamento e ressecamento entre o nível moderado e intenso é chamado de vaginite atrófica. Quando a pele da vagina fica fina e ressecada, ela é mais propensa à irritação e à inflamação, o que resulta em secreção.


SINAIS DE ALERTA

Em mulheres com secreção anormal, certas características são preocupantes:

  • Em meninas, febre ou secreção amarelada ou esverdeada com odor fétido (pois elas podem ter alguma doença sexualmente transmissível resultante de abuso sexual)
  • Dor pélvica ou abdominal intensa ou dor, sobretudo se ela persistir por mais de duas horas
  • Drenagem de pus, febre ou outros sinais de infecção nos órgãos reprodutivos
  • Excremento na secreção vaginal
  • Uma secreção sanguinolenta depois da menopausa

 



Fonte: MSD Manuals

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *