RESSACA: ENTENDA

A ressaca, como é conhecida popularmente, também pode ser chamada de Veisalgia e descreve a soma dos efeitos fisiológicos desagradáveis que se seguem após uma grande ingestão de bebida alcoólica.

As características comumente relatadas para o estado incluem dores de cabeça, náuseas, sensibilidade a luz e a ruídos, letargia, diarreia, disfonia, sudorese e sede.

Embora a ressaca possa ser sofrida a qualquer tempo, geralmente aparece pela manhã após uma noite de bebedeira. Além dos sintomas físicos, uma ressaca também pode incluir sintomas psicológicos, como depressão e ansiedade.

A ressaca é um tipo de crise de abstinência. Como qualquer outra bebida ou alimento, o álcool é metabolizado e distribuído pela corrente sanguínea para todas as células do corpo. A sensação de embriaguez e relaxamento ocorre quando ele chega ao cérebro, mas por outro lado este também é o momento da intoxicação.

O corpo faz um grande esforço para dar conta das moléculas excessivas de álcool no organismo. Quem mais trabalha é o fígado, que precisa produzir enzimas para absorvê-lo, transformá-lo em gordura e secretá-lo pela bile.

Quando o trabalho acaba, o fígado quer mais e entra numa espécie de depressão, desorganizando todo o metabolismo. O sistema nervoso, que também foi acelerado, tem uma reação parecida. O resultado é uma queda da força muscular, dor de cabeça, enjoo, diarreia, sensibilidade à luz e um cansaço enorme.

Quando bebemos, o fígado liberta uma enzina designada por “álcool desidrogenase” (ADH), que transforma o etanol numa substância química chamada “acetaldeído”. Neste processo é gerado outro químico, o acetato, através da ação da enzima aldeído desidrogenase (ALDH). O acetato é normalmente considerado inofensivo e até benéfico para a saúde, mas quando exposto ao acetaldeído causa os sintomas da ressaca, como a dor de cabeça e as náuseas.

Como regra geral, quanto mais álcool você beber, pior será sua ressaca no dia seguinte.

Há dois principais “ingredientes” para uma ressaca severa: beber muito álcool e beber muito rápido. A mesma quantidade de álcool, porém, nem sempre resulta na mesma severidade da ressaca.

Sabe-se que misturar bebidas ou tomar coquetéis pode levá-lo a consumir mais álcool – e isso pode piorar a sua ressaca. Além disso, alguns drinks parecem ter um efeito posterior pior do que outros.

Além da intoxicação causada pelo álcool, há outros componentes que afetam o nível da ressaca – os chamados congêneres. Congêneres são substâncias não-alcóolicas produzidas durante a fermentação, como acetona, acetaldeído e taninos, que mudam as cores das bebidas e lhes dão sabores distintos.

Drinks claros, como vodca, tem menos congêneres do que os mais escuros, como o uísque. Na verdade, um uísque bourbon tem 37 vezes mais congêneres do que a vodca, o que torna a ressaca de uísque pior.

Portanto, misturar bebidas claras e escuras pode fazer você se sentir mais enjoado do que se tivesse bebido apenas líquidos claros. Ainda assim, ambos os drinks diminuem sua cognição igualmente no dia seguinte depois de bebê-los.

 



Fonte: BBC Brasil

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *