REDUÇÃO DO HIV LATENTE NO CORPO COM USO DE CÉLULAS TRONCO

Cientistas espanhóis descobriram enormes reduções nos reservatórios do HIV-1 (Vírus da Imunodeficiência Humana) de cinco pacientes que foram submetidos a tratamento com transplante de células-tronco, de acordo com uma pesquisa publicada na revista Annals of Internal Medicine.

Os reservatórios latentes de HIV são as células do corpo onde o HIV é capaz de persistir mesmo quando os pacientes estão em terapia antirretroviral. Se alguém diagnosticado com HIV não tomar a medicação, a quantidade de HIV no corpo (chamada carga viral) aumentará. Embora os medicamentos possam suprimir as cargas virais, eles não podem eliminar completamente os reservatórios latentes do HIV.

No entanto, de acordo com pesquisadores do Instituto IrsiCaixa de Pesquisa sobre Aids em Barcelona e do Hospital Gregorio Maranon em Madri, o tratamento com transplante de células-tronco foi capaz de reduzir significativamente os reservatórios de HIV de menos de 0,006 unidades infecciosas por milhão de células. Cargas virais com menos de 50 cópias de HIV por mililitro de sangue são consideradas “indetectáveis”.

Os cientistas deram aos seus pacientes transplantes de células-tronco alogênicas, um procedimento no qual uma pessoa recebe células-tronco formadoras de sangue de cordões umbilicais e medula óssea de doadores geneticamente semelhantes.

De acordo com o relatório, a análise dos reservatórios virais mostrou que cinco dos seis pacientes no estudo tinham RNA do HIV indetectável (que mede o nível de anticorpos que combatem o HIV) no sangue e todos os seis tinham cargas virais indetectáveis no seu cérebro. O único participante com RNA de HIV detectável recebeu células estaminais do sangue do cordão umbilical com uma globulina antitimócito, que é uma infusão de anticorpos derivados de cavalo ou coelho contra células T humanas (um tipo de glóbulo branco que desempenha um papel importante na imunidade celular).

O estudo foi inspirado no caso de Timothy Brown, um americano considerado a primeira e única pessoa a ser curada do HIV. Ele é muitas vezes referido como “O Paciente de Berlim”, porque foi diagnosticado com o vírus em 1995, enquanto estudava em Berlim, na Alemanha.

O HIV de Brown foi curado após ser submetido a um procedimento conhecido como transplante de células-tronco hematopoiéticas para tratar sua leucemia em 2007. O procedimento envolve o transplante de células tronco multipotentes geralmente derivadas de medula óssea, sangue periférico ou sangue do cordão umbilical.

O doador de Brown tinha uma mutação chamada CCR5 Delta 32, que torna as células do sangue imunes ao HIV, bloqueando o vírus de se ligar a elas. Após o procedimento, Brown parou de tomar a medicação antirretroviral e, até hoje, permanece completamente livre do HIV.

 



Fonte: Jornal do Brasil

https://www.jb.com.br/ciencia_e_tecnologia/2018/10/948495-cientistas-descobrem-como-eliminar-reservatorios-de-hiv-em-pacientes-usando-celulas-tronco.html

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *