PÂNCREATITE CRÔNICA

O pâncreas é o órgão que tem entre suas funções a de produzir insulina para o corpo entre outras enzimas digestivas. Ele fica localizado atrás do estômago e pode sofrer com processos inflamatórios agudos e crônicos.

Na pancreatite aguda normalmente se sente dor abdominal na parte superior que pode durar alguns dias. A sensação dolorosa pode ser severa e tornar-se constante (apenas no abdômen) ou atingir as costas e outras regiões; pode ser súbita e intensa, ou começar com uma leve dor que fica pior quando algum alimento é ingerido.

Se o quadro de pancreatite aguda for muito extenso ou se o paciente apresenta repetidos episódios de pancreatite aguda, esta inflamação intensa e repetida pode causar lesão irreversível do tecido pancreático, levando ao que chamamos de pancreatite crônica.

A principal causa de pancreatite crônica é o consumo exagerado e prolongado de álcool. Porém, qualquer situação que imponha quadros repetidos de pancreatite aguda pode levar à lesão permanente do pâncreas.

A pancreatite crônica é uma inflamação do pâncreas de longa duração, resultante de uma deterioração irreversível da estrutura e da função pancreáticas.

 Causas menos comuns de pancreatite crônica incluem doenças genéticas como, por exemplo fibrose cística, pancreatite hereditária ou pancreatite autoimune. Em casos raros, um surto grave de pancreatite aguda causa a formação de tecido cicatricial permanente no pâncreas, que dá origem à pancreatite crônica. Em algumas pessoas, a pancreatite crônica se desenvolve quando o duto pancreático fica bloqueado (obstruído) por cálculos.


SINTOMAS

O principal sintoma da pancreatite crônica é dor abdominal. A intensidade da dor na parte superior do abdômen pode variar e as exacerbações (surtos ou ataques) podem durar muitas horas ou vários dias. Nos estágios finais da doença, a dor tende a ser constante. A dor costuma piorar após as refeições e melhorar quando a pessoa se senta ereta ou se inclina para frente.

Conforme a pancreatite crônica avança e as células que secretam as enzimas digestivas são destruídas, a dor abdominal pode parar.

A insuficiência pancreática é a outra manifestação principal da pancreatite crônica. A insuficiência pancreática é uma redução na quantidade de enzimas digestivas no suco pancreático. Conforme a quantidade de enzimas digestivas diminui, a decomposição dos alimentos não ocorre adequadamente. Alimentos que não são adequadamente decompostos não são corretamente absorvidos (má absorção) e a pessoa pode produzir fezes volumosas, de odor desagradável e gordurosas (esteatorreia). As fezes são de cor clara e podem até conter pequenas gotas de gordura. Fibras musculares não digeridas também podem ser encontradas nas fezes. A absorção inadequada dos alimentos também causa desnutrição e perda de peso.

A pessoa que sofre de pancreatite crônica deve evitar o consumo de álcool e o tabagismo.

 


DIAGNÓSTICO

O diagnóstico é feito através do historio e exame clínico, juntamente com exames laboratoriais e de imagem, como exame de sangue, ultra-sonografia e radiografia do abdômen.

Muitos médicos agora realizam um exame de IRM especial denominado colangiopancreatografia por ressonância magnética (CPRM). A CPRM exibe os dutos biliar e pancreático com maior clareza do que a TC.

 


TRATAMENTO

O tratamento da pancreatite crônica visa o controle da dor e dos sintomas da falência pancreática. É imperativo suspender o consumo de álcool, mesmo que esta não seja a causa do problema. A dieta deve ser controlada, evitando alimentos gordurosos, que são os que mais estimulam o aparecimento da dor (analgesia).

A analgesia é a parte mais desafiadora do manejo da pancreatite crônica, e os tratamentos dão enfoque em reduzir dor e diminuir a progressão da doença. Comer quatro a cinco refeições por dia formadas por alimentos com baixo teor de gordura pode reduzir a secreção das enzimas pancreáticas e diminuir a dor.

Além disso, os analgésicos opioides são às vezes necessários para aliviar a dor. Com frequência, as medidas analgésicas não aliviam a dor, o que faz com que a pessoa precise de doses cada vez maiores de opioides, o que pode colocá-la em risco de desenvolver dependência.

Pacientes com síndrome de má absorção precisam tomar suplementos com enzimas pancreáticas. Doentes com diabetes precisam de insulina.

Em casos onde a dor não consegue ser aliviada com drogas, a cirurgia do pâncreas pode ser necessária. Em geral, não há cura para a pancreatite crônica. Como já referido, o tratamento visa dar qualidade de vida ao paciente.

 



REFERÊNCIAS:

– MD.Saúde [Pâncreatite Aguda e Crônica: Inflamação no Pâncreas]. Disponível em: https://www.mdsaude.com/2009/11/pancreatite.html

– InfoEscola [Pâncreatite]. Disponível em: https://www.infoescola.com/doencas/pancreatite/

– MSD Manuals, Versão Saúde para a Família [Pâncreatite Crônica]. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-digestivos/pancreatite/pancreatite-cr%C3%B4nica

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *