MEDICAMENTOS ANTIVIRAIS – RESUMO

Os medicamentos capazes de extinguir uma infecção viral são chamados de antivirais, como os vírus podem se aproveitar de vias metabólicas de seu hospedeiro é muito difícil encontrar fármacos que ajam de maneira específica para o combate a estes agentes, além disso o modo de ação destas drogas ainda não é completamente compreendido, porém a maioria das drogas disponíveis atualmente estão relacionadas com a inibição da síntese ou na regulação viral do de seus ácidos nucleicos dentro dos hospedeiros.

Dentre os mecanismos para o tratamento de infecções virais temos o Bloqueio da ligação do vírus, Inibição da síntese de DNA/RNA, Inibição da síntese proteica, Inibição de juntamento, Inibição da liberação de vírus, Inibição de vírus não encapsulado e o Estímulo Imunológico.

Os antivirais são classificados de acordo com sua forma de ação, dentre os principais fármacos podemos citar:

Inibidores nucleosídicos da transcriptase reversa: inibem a enzima transcriptase por incorporação à cadeia de DNA do vírus tornando-a defeituosa e impedindo sua duplicação. Os principais fármacos desta lista são o Abacavir, Didanosina, Estavudina, Lamivudina, zidovudina e tenofovir.


Inibidores não nucleosídicos: também inibem a enzima transcriptase se incorporando a cadeia de DNA do vírus. Exemplo: Efavirenz, Etravirina e Nevirapina.


Inibidores da protease: para o vírus se tornar infeccioso é necessário que ele produza novas proteínas virais e estes inibidores bloqueiam a protease interferindo em sua ação e inibindo a produção de novos vírus HIV. Como exemplo de inibidores da proteases temos: Darunavir, Fosamprenavir, Indinavir, Ritonavir, Saquinavir ,Tipranavir e Lopinavir.


Inibidores da DNA-polimerase: inibe a síntese do DNA viral e interrompe o alongamento de sua cadeia, o aciclovir, penciclovir, foscarnete e o cidoforvir são exemplos dessa classe.


Inibidores da fusão do HIV: estes impedem o vírus de se ligar e entrar nos linfócitos do típo CD4. Exemplo: Enfuvirtida e Maraviroc


 Imunomoduladores: Os fármacos desta classe ativam cascatas de sinalização que levam à produção de proteínas antivirais, dentre estas a proteinocinase R, que impede o mecanismo de tradução nas células infectadas pelos vírus. Exemplos: Intérferons, Palivisumabe e Imunoglobulina.


Inibidores da liberação e desmontagem viral: Inibem a neuraminidase do vírus da influenza, fazendo com que os vírions recém-sintetizados permaneçam fixados à célula hospedeira. Exemplos: Zanamivir , Oseltamivir, Rimantadina e Amantadina.


Créditos: InfoEscola

Referências:
Fármacos recentes usados para o tratamento da infecção pelo HIV-1: enfuvirtida, maraviroc, raltegravir e etravirina. BRITO, M. A. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, v. 32, n. 2, p. 159-168, 2011.

Fármacos inibidores de fusão: uma nova estratégia no combate à replicação do vírus VIH.  SOUZA, M.V. N. Acta Farmacéutica Bonaerense, v. 24, n. 2, p. 291, 2005.

Princípios de Farmacologia. A Base Fisiopatológica da Farmacoterapia. GOLAN, David E. e col. Guanabara Koogan, 3ª edição, 2009.

Farmacologia. Rang, H.P, Dale, M.M. Editora Guanabara Koogan, 6a edição, 2007.

1 pensou em “MEDICAMENTOS ANTIVIRAIS – RESUMO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *