IMUNIDADE E COVID-19: FICAMOS IMUNES APÓS NOS CURARMOS DA DOENÇA?

Nosso sistema imunológico é a defesa natural do nosso corpo contra infecções e se divide em duas partes.

– A primeira está sempre pronta para entrar em ação assim que qualquer invasor estrangeiro é detectado. É conhecida como resposta imune inata e inclui a liberação de substâncias químicas que causam inflamação e glóbulos brancos que podem destruir as células infectadas.

 

– A outra é chamada resposta imune adaptativa. Trata-se de células que produzem anticorpos direcionados que podem aderir a vírus, bactérias e outros corpos estranhos para interromper sua multiplicação e proliferação e, células T que podem atacar apenas as células infectadas por vírus, por exemplo, denominadas resposta celular.

Todo ser humano saudável possui as duas formas de imunidade, sendo que a primeira não possui especificidade e por isso é preciso que a imunidade adaptativa seja ativada, em casos de doenças mais complexas como a covid-19, como tentativa de proteção do corpo.

É importante frisar que a imunidade adaptativa só é ativada quando a imunidade inata não é capaz de resolver o problema e a doença se instala. Nesse caso, quanto mais grave a doença for, mais específica será a imunidade adaptativa  produzida pelo corpo e mais tempo era ficará no organismo como uma memória imunológica a doença enfrentada.

No caso de vírus, principalmente aqueles que sofrem muitas mutações, essa imunidade não é capaz de nos proteger por toda uma vida. Existem sim doenças virais que somos capaz de ter imunidade por toda vida, como sarampo, que uma vez que se toma a vacina ou se adoece e se cura, se estará protegido da doença para a vida inteira. Porém temos a gripe comum, onde vírus influenza sofre mutação sempre e a cada ano é preciso uma nova vacina e uma nova ativação da imunidade adaptativa do corpo, para nos proteger da doença.

É pensando nesse conceito que temos a doença causada pelo SARS-CoV-2, a Covid-19, vírus que também sofre mutação, assim como os outros parentes de sua família, os Coronavírus. Seus outros familiares causam infecções respiratórias em humanos e a imunidade que o corpo cria a essa doença, após o indivíduo adoecer e se curar, dura em média, no máximo 1 ano.

No caso específico da covid-19, há relatos de pessoas que parecem ter tido múltiplas infecções por coronavírus em um curto espaço de tempo. Alguns argumentam que elas foram infectadas mais de uma vez. Outros, que o vírus entra em modo furtivo no corpo antes de ser reativado.

Um estudo recém-publicado aponta que os anticorpos podem durar por apenas dois ou três meses após a infecção, especialmente entre os pacientes que não apresentavam sintomas, os chamados assintomáticos.

Este estudo publicado pela revista Nature, aponta resultados de cautela com a ideia dos passaportes imunológicos, que em tese garantiriam que as pessoas que se recuperaram da doença não terão mais a Covid-19, mesmo meses depois. Dessa forma, poderiam circular livremente sem risco de disseminarem novos casos do coronavírus.

No entanto, especialistas alertam que a pequena vida útil dos anticorpos não tem, necessariamente, relação com o fato de que essas pessoas possam ser infectadas pelo coronavírus uma segunda vez. Isso porque mesmo que os níveis de anticorpos estejam baixos, há outras células protetores no sistema imunológico, como as células T e B, que devem ser consideradas.

O que temos de base por este estudo é que após 3 meses da “cura” da Covid-19, o organismo perderia 80% da sua resposta imune adaptativa a doença, tornando assim o indivíduo que uma vez e esteve doente, susceptível a adoecer novamente e pior, ter uma forma mais branda da covid-19 e ser um potencial transmissor da doença, por se achar totalmente imune.

Então a resposta para a pergunta: FICAMOS IMUNES APÓS NOS CURARMOS DA DOENÇA? É sim, porém, por quanto tempo? ainda não é possível se determinar, por falta de estudos com resultados mais concretos e confiáveis.

A pessoa que uma vez esteve doente de Covid-19 seja de forma leve ou assintomática, seja em sua forma grave, deve tomar todas as medidas de precaução e proteção preconizadas para esta pandemia, porque ela pode após alguns meses adoecer novamente e não somente isso, como também, poderá ser um possível transmissor da doença a pessoas que nunca adoeceram.

Nesse caso, pede-se bom senso e precaução a pacientes que sobreviveram a Covid-19.

 


Referências:

– BBC Brasil – Imunidade e coronavírus: é possível pegar covid-19 mais de uma vez? Esta e outras questões ainda sem resposta. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-52462544

– Revista Nature Medicine – Clinical and immunological assessment of asymptomatic SARS-CoV-2 infections. Disponível em: https://www.nature.com/articles/s41591-020-0965-6

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *