HOMEOPATÍA E A FEBRE AMARELA: ESCLARECIMENTOS

A vacina contra a febre amarela é preparada a partir do vírus vivo atenuado e produzida no Brasil. Sua imunidade ocorre dez dias após a aplicação, conferindo imunidade, segundo a OMS, por toda a vida.

O emprego da homeopatia no caso da febre amarela consiste na indicação de medicamentos homeopáticos que auxiliam na profilaxia e tratamento dos sintomas. A vacinação estabelecida conforme as diretrizes do Programa Nacional de Imunização, do Ministério da Saúde, é a medida mais importante para a prevenção e o controle da doença.

Desde a criação da homeopatia pelo médico alemão Dr. Samuel Hahnemann, essa terapêutica vem atuando em epidemias, e há relatos históricos documentados que demonstram resultados e benefícios bastante significativos.

Apenas para exemplificar, a homeopatia foi usada com sucesso nas seguintes epidemias: escarlatina, em 1799 na Alemanha; púrpura miliar, em 1801; tifo, em Leipizig, no ano de 1813; cólera, entre 1831 a 1834, na Europa; cólera em 1854, Inglaterra; e gripe espanhola, em 1918, nos EUA.

qui no Brasil não é diferente. Existem relatos com êxito da homeopatia nas epidemias de escarlatina, no Rio de Janeiro (João Vicente Martins, 1849); febre amarela, na Bahia, entre 1850 a 1852; cólera, a partir do Pará (1855), chegando ao Recife, e depois ao Rio de Janeiro; febre amarela também no Rio de Janeiro (1870, 1873, 1875 e 1877). Gripe em 1918. Mais recentemente há registros pormenorizados e divulgados nas epidemias de meningite meningocócica, em São Paulo, e dengue, na cidade de São José do Rio Preto (SP), em 2001.

Na maioria destes casos houve a utilização do agente causal preparado de forma homeopática ou isoterápico, para auxiliar no tratamento e prevenção das doenças, sendo esta uma prática tradicional que está respaldada pela Farmacopéia Homeopática Brasileira.

O medicamento homeopático preparado a partir da vacina da febre amarela, ou isoterápico, atenua mais ainda o vírus vivo e pode ser complemento individual às medidas preventivas coletivas já elencadas pelo Ministério da Saúde. Consulte seu médico ou farmacêutico homeopata e se informe dos limites de atuação deste medicamento homeopático.

É preciso deixar claro que é um equívoco chamar um isoterápico de vacina homeopática, termo que não existe oficialmente nesta prática terapêutica. Reafirmamos que, no caso da febre amarela, a vacinação estabelecida conforme as diretrizes do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde é a medida mais importante para a prevenção e o controle da doença.


IMPORTANTE! Destacamos ainda que, qualquer prática ou informação dissonante com o teor desta nota técnica por parte de farmacêuticos, deve ser informada aos conselhos de Farmácia para que providências sejam adotadas.


Fonte: Conselho Federal de Farmácia – CFF

 

 

6 ideias sobre “HOMEOPATÍA E A FEBRE AMARELA: ESCLARECIMENTOS

  1. Tomei dexametasona por 3 semanas há 1 mês atrás , posso tomar vacina da febre amarela ? Faz dois meses q fiz uma cirurgia do Nervo Ulnar.

  2. Por favor,eu preciso tirar uma dúvida, eu moro em uma zona considerada de risco sobre a febre amarela. Porém meu filho e eu temos rinite alérgica crônica. Fui orientada a parar de usar por 15 dias os medicamentos (clenil)
    O problema é que quando não usamos,temos crises de ” rinite com resfriado” aí não podemos tomar a vacina porque estamos “resfriados”… É um caso complicado onde não sei o que fazer.
    Outra dúvida é que a quatro dias meu filho e eu tivemos uma crise de sinusite e o médico receitou azitromicina 500mg por três dias, minha dúvida é: eu preciso aguardar alguns dias após o término do antibiótico para tomar a vacina?
    desde já obrigada

    • Olá Susy
      Sobre a primeira questão, não suspenda nenhuma medicação sem orientação médica adequada.
      Outro ponto é, paciente em uso contínuo de corticoides, (1 único corticoide), a mais de 2 meses de forma contínua e diária podem se vacinar, sem maiores impactos a saúde e a efetividade da vacina, PORÉM SE VOCÊ JÁ SUSPENDEU A MEDICAÇÃO SEJA POR 1 DIA APENAS, ESTA REGRA JÁ NÃO SE APLICA A VOCÊ, ATÉ QUE COMPLETE NOVAMENTE O USO CONTÍNUO EM 2 MESES.

      Sobre a segunda questão o antibiótico não interfere na eficácia e nem na ação da vacina, porém a sinusite pode ser uma infecção bacteriana ou viral e no caso, você deve se recuperar primeiro do problema, antes de se vacinar.

      Boa noite

      • No caso,por conta do corticóide mesmo “inalatório” eu preciso aguardar 15 dias para tomar a vacina?
        Muito obrigada pela atenção.

        • Boa noite
          Paciente em uso contínuo de corticoides, (1 único corticoide), a mais de 2 meses de forma contínua e diária podem se vacinar, sem maiores impactos a saúde e a efetividade da vacina.
          Já paciente de uso não não regular, ou regular não diário, devem esperar um prazo mínimo de 10 dias antes da vacinação sem contato com medicação corticoide e de 10-15 dias após a vacinação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *