GRIPE AVIÁRIA – INFLUENZA A (H7N9)

A gripe aviária é causada por uma mutação do vírus Influenza A, transmissor da gripe. Outras variações do vírus, como H7N7, H7N9 e H9N2, também já infectaram humanos e o vírus H7N9 é o atual causador da Gripe Aviária em humanos.

O vírus influenza A (H7N9) é um subtipo de vírus influenza A de origem aviária. Esse subtipo viral (H7N9) não havia sido detectado circulando em outro animal ou infectando humanos até Março de 2013 quando foram detectados os primeiros casos de infecção humana na China.

Desde então, infecções em aves e em humanos têm sido observadas. Existe uma grande preocupação com relação à infecção humana por esse subtipo A (H7N9), pois a maioria dos pacientes acometidos desenvolve gripe com complicações graves, com evolução para óbito em cerca de um terço dos casos.

Os dados atuais para a Influenza A (H7N9) indicam que as período de incubação varia de 2 a 8 dias podendo chegar a até 10 dias. A OMS informa que em estudos de campo e acompanhamento de contatos os pacientes obtiveram um período médio de incubação de 7 dias.

Apesar do período de transmissibilidade em humanos ser desconhecido para o vírus Influenza A (H7N9), geralmente um adulto libera partículas de virais desde 1 dia anterior ao surgimento dos sintomas até 5 a 10 dias depois do início dos sintomas.


Modo de Transmissão

Na maioria dos casos de infecção humana pelo vírus Influenza A (H7N9), tem sido relatado exposição recente a aves de criação ou ambientes potencialmente contaminados, especialmente feiras ou mercados onde aves vivas são comercializadas ou abatidas. Uma vez que, infecções por H7N9 não causam doença grave em aves, esse vírus pode se disseminar silenciosamente entre elas.

Transmissão Inter-humana

Uma minoria de casos parece ser resultado de transmissão inter-humana. Apesar de ter havido cluster* de infecções humanas por contato próximo, aparentemente esse vírus não é facilmente transmitido de uma pessoa a outra. Transmissão sustentada humano a humano não tem sido relatada apesar de investigações e seguimento de casos confirmados e casos de contato próximo.

Definição de cluster: Duas ou mais pessoas com aparecimento de sintomas nos mesmo período de 14 dias e que estão associadas com uma ambientação específica, como sala de aula, local de trabalho, domicílio, parentes, hospital, campos de recreação, quartel militar.


Manifestações clínicas

As manifestações clínicas apresentada por pacientes com infecções confirmadas por Influenza A (H7N9), durante admissão hospitalar, incluem febre, tosse produtiva e não produtiva, falta de ar, dispneia, hipóxia, e evidencia de doença respiratória do trato inferior com opacidade, consolidação e infiltrados nas imagens pulmonares.

A contagem de leucócitos tem sido normal ou baixa, com leucopenia, linfopenia e trombocitopenia em alguns casos.

Complicações causadas por infecções com o vírus Influenza A (H7N9) incluem choque séptico, falência respiratória, síndrome da angústia respiratória aguda (SARA), hipoxemia refratária, falência renal, falência múltipla de órgãos, rabdomiólise, encefalopatia e infecções bacterianas secundárias.

A maioria dos pacientes com infecções por Influenza A (H7N9) confirmadas necessita de internação em unidade de terapia intensiva. O tempo médio do surgimento dos sintomas até o óbito é de aproximadamente 11 dias, podendo variar de 7 a 20 dias. A evolução para óbito ocorre em cerca de 30% dos casos.


Tratamento

Pelo fato de se acreditar que a população humana não teve exposição a este vírus previamente, pela evolução dos casos já observados e pelo número de óbitos registrados, a OMS recomenda o tratamento com antiviral inibidor de neuraminidase assim que possível para paciente com suspeita ou confirmação de infecção de Influenza A (H7N9). O tratamento deve ser imediato, se a necessidade de aguardar o resultado laboratorial. O antiviral inibidor de neuraminidase é recomendado o mais precocemente possível para casos prováveis ou confirmados de Influenza A (H7N9), mesmo que transcorrido 48 horas do surgimento dos sintomas.

Testes laboratoriais indicam que a maioria dos vírus Influenza A (H7N9) é suscetível aos inibidores de neuraminidase (fosfato de oseltamivir ou zanamivir), mas assim como os vírus influenza sazonais, é resistente a antivirais da família das adamantanas. Assim, amantadina e rimantadina não são recomendadas para o tratamento dessas infecções.

Pessoas sem as medidas de proteção adequadas que tiveram contato próximo com pacientes com infecção de Influenza A (H7N9) confirmada ou foram expostas a aves de criação infectadas, feiras ou mercados com ave de criação vivas ou ambientes contaminados com Influenza A (H7N9), devem ser monitoradas por até 7 dias da última exposição. No caso de surgimento de febre ou algum sintoma respiratório, tratamento antiviral empírico deve ser imediatamente iniciado e amostras respiratórias devem ser coletadas para teste laboratorial. O tratamento precoce empírico com antiviral por 5 dias é recomendado.

Gestantes possuem um alto risco de desenvolver complicações por infeção com o vírus influenza. Para gestantes com suspeita ou confirmação de infecção por Influenza A (H7N9) é recomendado o tratamento antiviral. A gravidez não deve ser considerada contraindicação para o uso de oseltamivir ou zanamivir.

A dosagem de antiviral é baseada na faixa etária:

A indicação de Zanamivir somente está autorizada em casos de impossibilidade clínica da manutenção do uso do fosfato de Oseltamivir (Tamiflu).

O Zanamivir é contraindicado em menores de cinco anos para tratamento ou para quimioprofilaxia e para todo paciente com doença respiratória crônica pelo risco de broncoespasmo severo. O Zanamivir não pode ser administrado para paciente em ventilação mecânica porque essa medicação pode obstruir os circuitos do ventilador.

Para a prescrição deste medicamento é usado o receituário simples. O Ministério da Saúde (MS) disponibiliza este medicamento no Sistema Único de Saúde (SUS). 


REFERÊNCIAS:

– Ministério da Saúde [Influenza A h7n9], Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/influenza-a-h7n9

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *