GLAUCOMA: INFORMATIVO E ESTATÍSTICAS

O glaucoma é uma doença crônica, silenciosa, que não tem cura, mas na maioria dos casos pode ser controlada com tratamento adequado. Quanto mais precoce for o diagnóstico, maiores são as chances de evitar a perda da visão.

A doença que não tem cura, porém tem tratamento. A lesão instalada é irreversível, e por isso, a melhor forma de se lidar com ela é a preventiva. Existem vários tipos de glaucoma: crônico, agudo, secundário à outra patologia e congênito.

Na forma mais comum, o crônico, a sua progressão é lenta, e o portador não percebe que a pressão de seus olhos está alta. A pressão intra ocular aumentada leva ao sofrimento do nervo óptico, com consequente diminuição do campo visual, podendo levar à cegueira.

A forma aguda do glaucoma se caracteriza por crise de dor forte, devido ao aumento súbito da pressão intraocular. Neste caso a pressão aumenta por um mecanismo de bloqueio, onde o líquido que preenche o globo ocular fica sem sua circulação normal. Quanto maior for o tempo em que o olho fica exposto a esta pressão, pior, assim como quanto mais alta a pressão, mais rapidamente a lesão vai se instalar. Além da dor, nestes casos pode ocorrer embaçamento da visão, com sensação de visão de halos coloridos quando se olha para a luz. É mais comum em mulheres de idade, que já apresentam catarata. É uma condição de urgência e deve ser diagnosticado e tratado rapidamente. Quando visto a tempo o prognóstico é favorável.


O tratamento clínico inicial é feito com colírios que baixam a pressão intraocular. A terapia com laser é indicada quando o tratamento com colírio não é capaz de conter os níveis elevados de pressão. O procedimento cirúrgico é a última opção de tratamento.

O glaucoma, por ser assintomático, é uma doença perigosa.

Quando secundário, o paciente geralmente apresenta alguma patologia que provocou o glaucoma. Suas características dependem da doença original.

O glaucoma congênito é o menos comum, devendo ser diagnosticado nos primeiros dias de vida. O recém-nascido apresenta dificuldade de abrir os olhos, principalmente na presença da luz. A córnea se apresenta sem brilho, aumentada de tamanho, e às vezes leitosa. É considerada uma condição de urgência, pois o desenvolvimento da visão depende do controle do glaucoma.

Os glaucomas para terem um bom prognóstico dependem essencialmente de diagnóstico precoce e prevenção.
……………………………………………………………………………………………………………………………….

ESTATÍSTICAS

O glaucoma é responsável por 12,3% dos casos de perda de visão em adultos. A prevalência aumenta com a idade. É estimada entre 1% e 2% na população geral, chegando a 6% e 7% após os 70 anos de idade.

Os principais fatores de risco são: histórico familiar, pressão intraocular elevada, idade acima de 50 anos, diabetes, uso prolongado de corticóides, presença de lesões oculares e descendência negra.

Estima-se que no Brasil existam cerca de 985 mil pessoas portadoras de glaucoma, embora o número deva ser bem mais elevado, uma vez que calcula-se que 50% dos portadores ignoram a doença. Caso sejam aceitos os índices da World Glaucoma Association, segundo a qual a doença afeta entre 1% e 2% da população geral,chegando a 6% e 7% após os 70 anos, o Brasil pode ter quase 4 milhões de glaucomatosos.

……………………………………………………………………………………………………………………………….

PREVENÇÃO

A única forma segura de evitar suas consequências é fazer consultas periódicas ao seu médico oftalmologista. As consultas são aconselhadas para maiores de 40 anos, pessoas com histórico de catarata e presença do Glaucoma no histórico familiar.

O oftalmologista está preparado para medir a pressão de seus olhos, assim como examinar o nervo óptico, no fundo dos olhos. Havendo suspeita de glaucoma, ele poderá solicitar exames de campo visual, para verificar sua possível diminuição. Também poderá documentar com fotografias o fundo do olho, para comparação com exames futuros.

É no glaucoma agudo que se pode empregar uma das formas mais eficazes de prevenção. Através do uso do LASER, faz-se uma comunicação entre a parte anterior com a parte posterior do olho, evitando o chamado bloqueio. Desta forma quem estava sujeito a ter uma crise de glaucoma agudo, fica livre do problema.

Nos glaucomas secundários, assim como nos crônicos, a perda da visão é evitada controlando-se a pressão intraocular, usando-se medicação com acompanhamento oftalmológico.

Os glaucomas congênitos são os de mais difícil tratamento. Em sua maioria requerem cirurgias para controle da pressão intraocular, devendo ser feitas o mais precoce possível.

O glaucoma deve ser encarado como uma das mais importantes patologias da oftalmologia, e seu tratamento deve ser levado a sério, para a manutenção da visão.

……………………………………………………………………………………………………………………………….

REFERÊNCIA:

– Sociedade Brasileira de Oftalmologia – SOB [Principal causa de cegueira irreversível no Brasil e no mundo]. Disponível em: http://www.sboportal.org.br/imprensa_descr.aspx?id=2

– Dr. Nilson de Melo [Prevenção do Glaucoma]. Disponível em: http://www.drnilson.com.br/glauprev

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *