ESCARAS DE DECÚBITO

As escaras de decúbito, também conhecidas como ulceras de decúbito ou úlceras de pressão, são feridas que aparecem na pele de pessoas que permanecem muito tempo na mesma posição.

As escaras de decúbito são áreas de pele danificadas que decorrem da falta de irrigação sanguínea devido à pressão. São muitas vezes resultado de pressão combinada com puxões na pele, fricção e umidade, particularmente em áreas ósseas.

As escaras de decúbito podem ocorrer em pessoas de qualquer idade que estejam confinadas ao leito, à cadeira ou que não consigam mudar de posição sozinhas. Elas ocorrem quando há pressão sobre a pele causada por uma cama, cadeira de rodas, molde de gesso, tala, dispositivo artificial mal ajustado (prótese) ou outro objeto duro. Elas tendem a ocorrer sobre ou entre áreas ósseas nas quais a pressão sobre a pele pode ficar concentrada, como sobre os ossos do quadril, do cóccix, dos calcanhares, dos tornozelos e dos cotovelos, mas podem ocorrer em qualquer lugar. Pessoas que sofrem danos em nervos ou paralisa correm mais risco de desenvolverem escaras de decúbito.

As escaras de decúbito muitas vezes se desenvolvem em pessoas após terem sido internadas devido a outro problema. As úlceras de decúbito prolongam o tempo de internação em hospitais ou casas de repouso. As úlceras de decúbito podem ser fatais se não forem tratadas ou se os problemas de saúde subjacentes impedirem a cura. As úlceras de decúbito são mais comuns em pessoas idosas.

As causas que contribuem para o desenvolvimento de úlceras de decúbito incluem

  • Pressão
  • Tração
  • Fricção
  • Umidade
  • Nutrição inadequada

 


SINTOMAS

Para a maioria das pessoas, as úlceras de decúbito causam dor e coceira. No entanto, nas pessoas com os sentidos entorpecidos, até mesmo as úlceras graves podem ser indolores.

As úlceras de decúbito são classificadas de acordo com a gravidade dos danos nos tecidos moles.

Estágio I: a pele fica vermelha ou rosada, mas não está rompida. As pessoas de pele mais escura pode não apresentar alterações na cor. A úlcera pode também ficar mais quente, mais fria, mais firme, mais suave ou mais macia do que a pele nas proximidades. Nesse estágio, uma úlcera ainda não está efetivamente presente.

Fase II: a úlcera de decúbito é superficial, com uma base rosada a vermelha. Há alguma perda superficial de pele, incluindo abrasões, bolhas ou ambos.

Estágio IV: a pele fica desgastada, e os músculos, tendões e ossos subjacentes ficam expostos.

Não classificável: às vezes, os médicos não conseguem determinar em que estágio está uma úlcera de decúbito. Por exemplo, úlceras de decúbito que estão cobertas de detritos ou com uma camada espessa e crostosa (escara) não podem ser estadiadas.

Suspeita de lesão profunda no tecido: essa categoria mais recente inclui úlceras cuja aparência sugere que os tecidos subjacentes podem estar lesionados. Essas lesões podem ter a aparência de áreas arroxeadas a castanhas de pele intacta. A área pode ser mais firme, mais macia, mais quente ou mais fria do que o tecido ao redor.

Úlceras de decúbito nem sempre progridem de estágios leves para graves. Às vezes, o primeiro sinal visível é uma úlcera de estágio III ou IV.

 


TRATAMENTO

É muito mais difícil tratar uma úlcera de decúbito do que preveni-la. Os principais objetivos do tratamento são aliviar a pressão sobre as úlceras, limpar e cobrir as úlceras de modo adequado, controlar a infecção e fornecer nutrição adequada. Às vezes, é necessária uma cirurgia para fechar úlceras grandes.

Para aliviar a pressão sobre a pele, as pessoas precisam de um posicionamento cuidadoso, dispositivos de proteção e superfícies de apoio. As úlceras de decúbito tendem a curar-se por si mesmas nos primeiros estágios, logo que a pressão sobre a pele seja removida.

Para se curarem, as úlceras de decúbito precisam ser limpas, a pele morta precisa ser removida (um processo chamado debridamento) e devem ser aplicados curativos.

A ferida é limpa quando o curativo é trocado. Os profissionais de saúde muitas vezes enchem (irrigam) a ferida com solução salina, especialmente as fendas profundas, para ajudar a soltar e limpar detritos escondidos.

O médico pode ter que retirar o tecido morto com um bisturi, uma solução química, um banho de hidromassagem, um curativo especial ou biocirurgia (usando larvas de uso médico para retirar o tecido morto). A remoção do tecido morto é geralmente indolor, porque a dor não é sentida em tecido morto. Alguma dor pode ser sentida porque existe tecido saudável nas proximidades.

Úlceras de decúbito profundas ou grandes são difíceis de tratar. Às vezes, elas precisam ser fechadas com enxertos cutâneos e retalhos de músculos. Nesses procedimentos, um tecido saudável e mais espesso, com um bom fornecimento de sangue, é reposicionado cirurgicamente para cobrir a área lesionada. Os enxertos cutâneos são úteis para úlceras de decúbito grandes e superficiais. Os retalhos musculares são usados para fechar úlceras de decúbito sobre grandes áreas ósseas (geralmente a base da coluna, os quadris e a extremidade superior dos ossos da coxa). No entanto, a cirurgia nem sempre é bem-sucedida, especialmente para idosos frágeis que estão subnutridos e possuem outras enfermidades.

 



FONTE:

– MSD Manuals. Versão Saúde para a Família [Úlcera de Decúbito]. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-da-pele/%C3%BAlceras-de-dec%C3%BAbito/%C3%BAlceras-de-dec%C3%BAbito

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *