DISFUNÇÃO ERÉTIL – QUANDO MEDICAMENTOS ORAIS FALHAM

Entende-se por Disfunção Erétil (DE), a dificuldade de manter a ereção peniana, em pelo menos 50% das tentativas, por tempo suficiente para permitir a penetração vaginal ou anal e a satisfação sexual.

Essa condição é popularmente conhecida como Impotência Sexual. Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), cerca de 50% dos homens brasileiros acima de 40 anos têm alguma queixa em relação às ereções.

As causas da DE variam e podem ser relacionadas a motivos psicológicos, orgânicos ou ambos os casos.

Aos pacientes que não respondem às drogas orais, podem ser oferecidas injeções intracavernosas. O alprostadil (Caverject ®, Edex/Viridal ®) é a única droga aprovada para tratamento intracavernoso para DE. É a monoterapia mais eficaz para tratamento intracavernoso, com doses de 5 a 40 μg.

O paciente deve ser orientado e treinado em nível ambulatorial (uma ou duas visitas), para aprender corretamente o processo da injeção.

As taxas de eficácia são de 70%, com relato de atividade sexual após 94% da injeções. As taxas de satisfação variam de 87 a 93,5% para os pacientes e de 86 a 90,3% para as parceiras. A taxa de desistência descrita varia de 41 a 68%, com muitas delas ocorrendo nos primeiros 2 a 3 meses.

As complicações do alprostadil intracavernoso incluem dor peniana (50% dos pacientes), ereções prolongadas (5%), priapismo (1%) e fibrose peniana (2%). As combinações de drogas (principalmente alprostadil, papaverina e fentolamina) podem aumentar a eficácia em até 90%. Fibrose peniana foi mais comum (5 a 10% dos pacientes) quando a papaverina foi usada isoladamente (dependendo da dose total).

Após 4h de ereção, os pacientes devem ser orientados a procurar o seu médico, para evitar danos ao tecido cavernoso, que pode resultar em DE permanente. A aspiração do sangue venoso intracavernoso e a administração de fenilefrina são utilizadas para tratar estas ereções prolongadas. Se este problema ocorreu, a dose da próxima injeção deve ser reduzida.

Prostaglandina E1 pode ser administrada intrauretral, como uma pastilha semissólida, em doses e 125 a 1000 μg. Uma banda constritora na base do pênis pode melhorar a rigidez.

A taxa de sucesso clínico é menor do que as injeções intracavernosas, mas aproximadamente 70% dos pacientes ficam satisfeitos com este tratamento.

Os efeitos colaterais incluem dor peniana (29 a 41%), tontura (1,9 a 14%) e sangramento uretral (5%).


QUANDO MEDICAMENTOS NÃO FUNCIONAM

O implante cirúrgico de próteses penianas pode ser considerado em pacientes que não respondem à farmacoterapia ou que desejam uma solução permanente.

As próteses são maleáveis (semirrígidas) ou infláveis (dois ou três componentes). Muitos pacientes preferem as próteses de três componentes porque as ereções são mais “naturais”, mas estes implantes são muito onerosos.

A taxa de satisfação varia de 70 a 87%, após uma avaliação adequada.

As complicações incluem falência mecânica (menos do que 5% após 5 anos de acompanhamento com próteses de 3 componentes) e infecção. Com a antibioticoprofilaxia, a taxa de infecção varia de 2 a 3% e pode ser reduzida com a utilização de implantes impregnados com antibiótico ou com cobertura hidrofílica.

A infecção requer a remoção das próteses, administração de antibióticos e reimplante após 6 a 12h.

Entretanto, a taxa de sucesso de 82% tem sido alcançada com esta terapia de salvamento, envolvendo a remoção e reimplantando imediatamente, após uma copiosa irrigação dos corpos cavernosos, com uma solução de vários antibióticos.

 



REFERÊNCIA:

– Diretrizes para Disfunção Sexual Masculina: Disfunção Erétil e Ejaculação Prematura; Wespes E, Amar E, Eardley I, Giuliano F, Hatzichristou D, Hatzimouratidis K, Montorsi F, Vardi Y Eur Urol 2002; 41 (1): 1-5. Eur Urol 2006; 49 (5): 806-15, Atualizado em 2009. Disponível em: https://uroweb.org/wp-content/uploads/Male-Sexual-Dysfunction-2012-pocket.pdf

– Instituto Lado a Lado pela Vida [Disfunção Erétil]. Disponível em: https://www.ladoaladopelavida.org.br/disfuncao-eretil-o-que-e-doencas-urologicas

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *