DIABULIMIA

Conhecido como um transtorno alimentar em que pessoas que possuem Diabetes do Tipo 1, intencionalmente consomem menos insulina do que o necessário, com a finalidade de perder peso.

A Diabulimia não é reconhecida atualmente como um diagnóstico formal pelas comunidades médicas ou psiquiátricas. No entanto, pode ser referido na literatura por Comportamento Alimentar Desordenado ou Perturbado, ou ainda, Transtorno Alimentar.

Nesse problema temos um transtorno que une a doença Diabetes tipo 1 com o transtorno alimentar da Bulimia.

Uma pessoa pode desenvolver Diabulimia em qualquer idade e em qualquer momento após o diagnóstico de diabetes. Às vezes começa com problemas de imagem corporal ou um desejo de perder peso, e às vezes começa como esgotamento da diabetes. Independentemente de como isso comece, o tratamento pode ser desafiador, já que os indivíduos com diabetes tipo 1 tendem a apresentar taxas mais altas de desistência e resultados de tratamento mais fracos do que os outros pacientes.

Os regimes de tratamento devem abordar os aspectos relacionados ao diabetes e transtorno alimentar do transtorno.


SINAIS DE SINTOMAS

Emocional e comportamental 

  • Aumento da negligência no controle do diabetes
  • Segredo sobre o controle do diabetes
  • Evitando compromissos relacionados ao diabetes
  • Medo de baixo açúcar no sangue
  • Medo de que “a insulina engorde”
  • Aumento ou diminuição extrema na dieta
  • Ansiedade extrema sobre a imagem corporal
  • Restrição de certos grupos alimentares ou de alimentos para diminuir as doses de insulina
  • Evita comer com a família ou em público
  • Desconforto no uso da injeção de insulina na frente dos outros
  • Regras alimentares excessivamente rigorosas
  • Preocupação com comida, peso e / ou calorias
  • Exercício excessivo e / ou rígido
  • Aumento no padrão de sono
  • Retirada de amigos e / ou atividades familiares
  • Depressão e / ou ansiedade
  • Prescrições raramente preenchidas

Física 

  • Perda de peso inexplicável
  • Constantes episódios de náusea e / ou vômito
  • Sede persistente e micção frequente
  • Múltiplos episódios de Cetoacidose Diabética ou perto de dela
  • Baixo teor de sódio e / ou potássio
  • Infecções frequentes da bexiga e / ou levedura
  • Irregular ou falta de menstruação
  • Visão deteriorada ou embaçada
  • Fadiga ou letargia
  • Cabelos secos e pele

 


PROBLEMAS A LONGO PRAZO

Se uma pessoa com diabetes Tipo 1 que tem diabulimia sofre com a doença por um longo período de tempo, então os seguintes sintomas podem ser esperados:

  • Danos renais graves – devido ao alto nível de açúcar no sangue que pode sobrecarregar os rins, levando eventualmente a insuficiência renal e à necessidade de um transplante de rim
  • Grave neuropatia (lesão no nervo para as mãos e para os pés)
  • Fadiga extrema
  • Edema (durante as fases controladas de açúcares sanguíneos)
  • Problemas de coração
  • Colesterol elevado
  • Osteoporose
  • Morte

Muitas vezes, as pessoas com diabetes tipo 1 que omitem injeções de insulina já foram diagnosticadas com um transtorno alimentar, como anorexia nervosa ou bulimia nervosa. Esses indivíduos geralmente não sabem que a diabulimia é mais comum do que pensam e também é muito difícil de superar. Ao contrário da anorexia e da bulimia, a diabulimia às vezes exige que o indivíduo aflito pare de cuidar de uma condição médica. Ao contrário do vômito ou da fome, às vezes não há ação clara ou força de vontade envolvida. A diabulimia pode ser mais atraente para indivíduos que querem perder peso.


TRATAMENTO

Esse transtorno não possui um tratamento específico, o que torna difícil para p paciente, familiares e profissionais de saúde lhe darem com esse problema.

Não importa onde alguém esteja em seu transtorno alimentar ou recuperação, uma equipe multidisciplinar é necessária para abordar os muitos problemas emaranhados presentes com diabulimia. O melhor cenário para um paciente é consultar um endocrinologista, um nutricionista com conhecimento sobre diabetes e distúrbios alimentares, e um profissional de saúde mental especializado em transtornos alimentares.

Tanto os profissionais de saúde quanto os pacientes precisam lembrar que o gerenciamento do diabetes “suficientemente bom” é o objetivo, e não o controle “perfeito”. A busca pela perfeição pode levar a um aumento no esgotamento da diabetes e aumentar o pensamento de tudo ou nada que, por sua vez, pode impulsionar o distúrbio alimentar.

Permanecer em um ambiente ambulatorial deve ser condicionado a tomar uma quantidade mínima de insulina de forma consistente, sendo capaz de ingerir alimentos suficientes para manter o peso e não se envolver em graus de purgação que causem desequilíbrio eletrolítico perigoso.

 



REFERÊNCIAS

– Diabulimia Help Line [Diabulimia]. Disponível em: www.diabulimiahelpline.org

Neda Feeding Hope [Diabulimia]. Disponível em: https://www.nationaleatingdisorders.org/diabulimia-5

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *