COMO GUARDAR MEDICAMENTOS EM CASA?

É um hábito comum dos brasileiros o de montar uma espécie de farmácia em casa para aqueles momentos em que os sintomas incômodos aparecem.

Mas como remédio não é brincadeira e existem ali substâncias potencialmente nocivas, especialmente se estiverem conservadas em más condições, é preciso um grande cuidado para que você não coloque em risco a sua saúde e a daqueles que moram com você.

Com bom senso e algumas dicas básicas, é mais fácil armazenar corretamente os medicamentos em casa. Veja abaixo:


– Os medicamentos devem ser guardados num armário ou prateleira ( dentro de sua caixa própria devidamente identificada).

– Com exceção das cápsulas e drágeas, outras formas farmacêuticas como comprimidos, xaropes, elixirs, cremes, supositórios, sprays e outros não devem ser armazenados fora de sua embalagem original.

– Os medicamentos devem ser mantidos na embalagem original, para assim ficarem identificados o  prazo de validade e informação do lote, bem como manter a bula do medicamento junto a ele.

– Devem ser colocado num local alto (fora do alcance das crianças) ao abrigo da luz e umidade, que seja limpo e fresco.

– O armário deve estar fechado e dispor de um sistema de abertura fácil

– A cozinha e o banheiro não são locais apropriados para se guardar medicamentos, por estarem expostos a alterações de umidade e temperatura, que podem prejudicar a estabilidade dos medicamentos.

– O armário de medicamentos deve ser revisto periodicamente, a cada 6 meses pelo menos, verificando-se a validade e o bom estado de todos os medicamentos.

– Devem ser retirados os medicamentos que se encontrem fora de prazo de validade, deteriorados, ou que já não se utilizam, procedendo à entrega dos mesmos na farmácia assegurando a sua correta destruição (nunca elimine os medicamentos através da pia, vazo sanitário ou lixo comum).

– Evite guardar comprimidos partidos, medicamentos molhados ou que tenham alguma adulteração na sua embalagem normal.

– Evite também armazenar em casa medicamentos como antibióticos, analgésicos opioides, antidepressivos e outros que possuam tarja preta, a fim de minimizar problemas graves em caso de automedicação, abuso e overdose.

 

 



 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *