CLORIDRATO DE SERTRALINA: INDICAÇÕES E FARMACOLOGIA

A sertralina é um medicamento antidepressivo, pertencente à classe dos inibidores seletivos da recaptação de serotonina. Sua primeira aprovação comercial ocorreu em 1991 pelo FDA (Food and Drugs Administration).

É um remédio antidepressivo muito utilizado em casos de depressão e síndrome do pânico, tendo ação mais demorada nas situações de obsessão. Os ensaios clínicos originais, antes da comercialização, demonstraram uma eficácia de fraca à moderada da sertralina em relação à depressão. No entanto, um considerável corpo de pesquisa posterior estabeleceu-a como uma das drogas de escolha para o tratamento da depressão em pacientes de ambulatório.

A sertralina pode ser comprada nas farmácias convencionais com os nomes comerciais de Assert, Sercerin, Serenata,Tolrest ou Zoloft, com receita médica. Continue lendo

CLONAZEPAM: RESUMO FARMACOLÓGICO

O fármaco clonazepam pertence a família dos benzodiazepínicos, onde suas principais propriedades são  inibição leve das funções do sistema nervoso central permitindo assim uma ação anticonvulsivante, alguma sedação, relaxamento muscular e efeito tranquilizante.

É comercializado pelos Laboratórios Roché com o nome de Rivotril, ou Navotrax, na Europa, Ásia, América latina e Oceania e Klonopin nos Estados Unidos. Em maio de 2009, o clonazepam já era o medicamento de controle especial mais vendido no Brasil.

Os casso de dependência do clonazepam ocorrem principalmente em paciente predispostos, com histórico de alcoolismo, abuso de drogas e forte personalidade e quando se faz uso de altas doses e por períodos prolongados. Continue lendo

CETOCONAZOL COMPRIMIDOS – CARACTÉRISTICAS FARMACOLÓGICAS

Fármaco antimicótico e antifúngico, o cetoconazol é um derivado do imidazol, usado atualmente principalmente nas formas tópica, como gel, creme e shampoo. Sua forma oral existe, porém é mais tóxica que outros antifúngicos.

Devido ao risco de toxicidade hepática grave, cetoconazol comprimido deve ser utilizado apenas se os benefícios potenciais forem considerados superiores aos potenciais riscos, considerando outras terapias antifúngicas eficazes.

O cetoconazol comprimido está indicado para o tratamento das seguintes infecções fúngicas sistêmicas, blastomicose, coccidioidomicose, histoplasmose, cromomicose, e paracoccidioidomicose, em pacientes que apresentaram falha ou intolerância a outras terapias. Continue lendo

DEXTROCETAMINA – FARMACOLOGIA

A dextrocetamina é um anestésico geral de ação rápida, não barbitúrico, para uso parenteral. Quimicamente a dextrocetamina é designada de S-(o-clorofenil)-2-(metilamino) ciclohexanona. É apresentada na forma de solução ligeiramente ácida (pH 3,5-5,5), para administração intravenosa ou intramuscular.

A dextrocetamina produz um estado anestésico, caracterizado por profunda analgesia, com reflexos laringofaringeanos normais, tono dos músculos esqueléticos normal ou ligeiramente aumentado e discreto estímulo cardiovascular e respiratório. Ocasionalmente acarreta uma depressão respiratória mínima, de caráter transitório. Continue lendo

CLORIDRATO DE PROMETAZINA: FARMACOLOGIA

A Prometazina é um anti-histamínico H1, fármaco que inibe a ação da histamina, bloqueando a sua ligação aos receptores de histamina. Pertence ao grupo das fenotiazinas, com atividade antialérgica, antiemética, sedante para indução do sono (atividade hipnótica) e pode interagir com receptor de sódio, funcionando como anestésico.

Conhecida no Brasil como Fenergan®, pode ser encontrado nas formas farmacêuticas de creme, comprimidos, injetável e xarope.

Este medicamento é comumente utilizado na pré-anestesia e na potencialização de analgésicos, devido à sua ação sedativa (calmante). Continue lendo

DISFUNÇÃO ERÉTIL – QUANDO MEDICAMENTOS ORAIS FALHAM

Entende-se por Disfunção Erétil (DE), a dificuldade de manter a ereção peniana, em pelo menos 50% das tentativas, por tempo suficiente para permitir a penetração vaginal ou anal e a satisfação sexual.

Essa condição é popularmente conhecida como Impotência Sexual. Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), cerca de 50% dos homens brasileiros acima de 40 anos têm alguma queixa em relação às ereções.

As causas da DE variam e podem ser relacionadas a motivos psicológicos, orgânicos ou ambos os casos. Continue lendo

DEPENDÊNCIA QUÍMICA A OPIÓIDES: CONSIDERAÇÕES

Os opioides são os fármacos de escolha para o alívio da dor aguda e dor oncológica intensa. Também têm sido utilizados no tratamento de diversas síndromes dolorosas crônicas não oncológicas.

Embora seu uso para dor crônica não oncológica seja controverso, há evidências crescentes benéficas em algumas populações de pacientes. O grande temor do uso prolongado de opioides para esses pacientes é que, apesar de promover excelente efeito analgésico, há aumento substancial do risco da principal complicação que é o vício.

Para reduzir o risco e obter melhor efeito dos opioides é necessário que os profissionais administrem o medicamento de forma consciente, com indicações precisas, fazendo avaliações periódicas. O uso prolongado de opioides provoca inúmeras alterações celulares responsáveis pelo desenvolvimento de três fenômenos clínicos: Continue lendo