COR DO SÊMEN

O sêmen ou esperma é um fluído orgânico produzido pelos machos de várias espécies animais, inclusive os seres humanos, que contém espermatozóides e outras secreções.

Este fluído transporta entre 60 e 300 milhões de espermatozóides (segundo a duração da abstinência prévia). Para fertilizar o óvulo é necessário que o esperma contenha mais de 20 milhões de espermas por ml.

A composição do sêmen pode ser divida em duas partes: o plasma seminal e os espermatozoides. Cerca de 70% do plasma seminal é produzido nas vesículas seminais, contendo aminoácidos, enzimas e principalmente frutose, que é a fonte de energia das células espermáticas. Os outros 30% são produzidos pela próstata e contém, entre outros elementos, a fosfatase ácida e o ácido cítrico. Essas substâncias têm o papel de neutralizar o ambiente ácido do canal vaginal, que é naturalmente nocivo ao esperma.  Continue lendo

POR QUE SOMENTE O EXAME DE PSA NÃO CONFIRMA SE O HOMEM TEM CÂNCER?

O exame PSA, na sigla inglesa: Prostate Specific Antigen (Antígeno Prostático Específico), é uma substância produzida pela célula prostática, na próstata, que é eliminado para a luz da glândula e que tem a função de liquefazer o sêmen após a ejaculação.

O líquido seminal ejaculado provém da glândula prostática, das vesículas seminais (que se encontram atrás e para cima da próstata) e menos de 1% por espermatozoides, que vêm dos testículos e epidídimos pelo ductos deferentes).

A maior parte do PSA vem do sêmen, mas uma pequena quantidade pode ser encontrada no sangue. Na verdade, o que ocorre é um refluxo do PSA para o sangue que deveria ir para a luz da glândula, e isto acontece quando há alguma lesão na parede da célula prostática provocada, por exemplo, por trauma, inflamação, infecção, proliferação benigna da próstata, conhecida por hiperplasia benigna da próstata ou pelo próprio câncer. Continue lendo

O QUE É BIOSSIMILARIDADE EM UM MEDICAMENTO?

A biossimilaridade, no que diz respeito a um medicamento biológico, é uma propriedade de um produto em relação a outro produto, considerado como referência e atestada pelo chamado exercício de comparabilidade. Uma convincente demonstração de biossimilaridade transfere ao novo produto, parte da experiência e do conhecimento adquirido com o produto de referência, permitindo algum grau de redução dos requerimentos para aprovação.

Ou seja, quando existe um medicamento aprovado como medicamento biológico e se lança um novo produto, tendo o medicamento referência como base de produção, mas com critérios levemente alterados, pois já se tem o estudos e novos conceitos de que certas normas ou processos, não irão interferir na qualidade e resultado final do no produto a ser produzido.

A Organização Mundial da Saúde define exercício de comparabilidade como sendo a comparação direta de um produto biológico (candidato a biossimilar) com o produto biológico inovador (referência), já aprovado, com o propósito de estabelecer similaridade em qualidade, segurança e eficácia. Continue lendo

POSSO USAR O PRESERVATIVO FEMININO NO SEXO ANAL?

Primeiramente, vamos falar um pouco sobre o preservativo feminino:

O preservativo feminino ou camisinha feminina é a versão feminina do contraceptivo de barreira mais comum do mundo, o preservativo masculino.

Esse dispositivo foi inventando pelo médico dinamarquês Lasse Hershel, ao final dos anos 90, a fim de dar autonomia às mulheres, que assim não precisam depender exclusivamente dos seus parceiros.

Este método contraceptivo consiste em um dispositivo de  polietileno, material que oferece menos risco de furar, e, além disso, é uma opção para quem tem alergia ou irritação ao látex. Ela também é mais eficaz na hora de proteger contra Infecções Sexualmente Transmissíveis -IST’s, como HPV e herpes, porque protege a parte externa da vagina também. Continue lendo