VASCULITE DE CHURG-STRAUSS

A vasculite de Churg-Strauss é uma vasculite autoimune e de etiologia indeterminada, também denominada de granulomatose eosinofílica, angeíte lérgica granulomatosa e doença de Churg-Strauss.

A vasculite de Churg-Strauss foi primeiramente descrita em 1951 por Churg e Strauss. É caracterizada por uma tríade clínica de asma, hipereosinofilia e vasculite necrosante. Os pacientes encontram-se usualmente na faixa etária de 20 a 40 anos e homens e mulheres são igualmente afetados.

Inflamações capazes de afetar os vasos sanguíneos pequenos e médios (vasculite) podem afetar qualquer órgão. Os órgãos mais frequentemente afetados são o sistema nervoso periférico, os seios paranasais, a cútis, as articulações, os pulmões, o aparelho digestivo, o coração e os rins. Coleções de células imunológicas que deflagram a inflamação (chamadas granulomas) formam nódulos e atacam o tecido. Continue lendo

SÍNDROME DE STEVENS-JOHNSON: O QUE É?

Essa síndrome caracteriza-se por reações mucocutâneas potencialmente fatais causadas por hipersensibilidade a fatores precipitantes diversos, como infecções por vírus, fungos, bactérias, afecções do tecido conjuntivo, tumores malignos, vacinas e diversos fármacos.

A síndrome de Stevens-Johnson é uma reação idiossincrática, ou seja, ocorre raramente, de forma aguda e imprevisível. Ela não é exatamente um efeito colateral do medicamento, pois a reação é imprevisível e ocorre não por um problema específico da droga, mas por uma característica do sistema imunológico do indivíduo.

A descamação da pele é o sinal característico desse quadro clínico. Na síndrome de Stevens-Johnson, há somente áreas pequenas de descamação da pele (que afetam menos de 10% do corpo). A descamação da pele envolve a camada superior inteira da pele (a epiderme), que às vezes descama em camadas de grandes áreas do corpo. Continue lendo

CONTRAINDICAÇÕES DA VACINA DA FEBRE AMARELA

A vacina contra a febre amarela é considerada altamente segura, segundo a Organização Mundial da Saúde – OMS. Eventos adversos sérios, que põem em risco a vida do paciente, ocorrem em 1 a cada 250 mil pessoas vacinadas.

Mas em determinados grupos de pacientes, como aqueles que estão com o sistema imunológico debilitado ou que têm alergias a elementos do ovo, alergia a antibióticos da classe dos macrolídeos (Azitromicina,Eritromicina, etc) a imunização pode causar problemas graves.

Esses efeitos ocorrem porque o imunizante contra a febre amarela possui o vírus vivo atenuado, que desaparece do organismo três semanas após a vacinação, em média. Continue lendo

DOENÇA DE BUERGER – TROMBOANGEÍTE OBLITERANTE

A tromboangeíte obliterante ou doença de Buerger é uma patologia inflamatória oclusiva segmentar das artérias e veias, com trombose e recanalização dos vasos afetados. Trata-se de uma doença inflamatória não aterosclerótica que afeta as pequenas e médias artérias e veias dos membros inferiores e superiores.

Como o próprio nome já nos diz, é uma doença vascular que oclui alguns vasos sanguíneos, causando uma série de sintomas e precisando de tratamento. Não tem relação com a Aterosclerose.

Esta afecção afeta predominantemente indivíduos do sexo masculino, com idade entre 20 a 40 anos e que fazem uso do tabaco. Apenas aproximadamente 5% dos pacientes são do sexo feminino. Continue lendo

MALÁRIA – INFORMATIVO

A malária é uma doença infecciosa febril aguda, causada por protozoários transmitidos pela fêmea infectada do mosquito Anopheles. A cura é possível se a doença for tratada em tempo oportuno e de forma adequada. Contudo, a malária pode evoluir para forma grave e para óbito.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, cerca de 3,3 mil milhões de pessoas estão em risco de contrair malária durante a sua vida, em particular nos países mais pobres. Estima-se que a incidência anual desta doença seja superior a 500 milhões de novos casos, sendo responsável por mais de um milhão de mortes por ano.

Como os mosquitos que transmitem o parasita ocorrem em climas tropicais, são essas as áreas onde a malária é mais comum. Continue lendo

REAÇÕES ADVERSAS A VACINA DA FEBRE AMARELA

Na última década, a febre amarela tem se apresentado com um padrão epizoótico-epidêmico, manifestando-se como uma doença reemergente em novas áreas do território brasileiro, fora da área considerada endêmica (região Amazônica e Centro-Oeste e Estado do Maranhão).

Neste período foi observada uma expansão da circulação viral no País, demonstrando a presença do vírus amarílico em todo o território Brasileiro.

A Vacina da Febre Amarela é um pó liofilizado injetável composto por vírus vivo atenuado da febre amarela cepa 17DD ou equivalente, cultivado em ovos embrionados de galinha. Contém sacarose, glutamato, sorbitol, gelatina bovina, eritromicina e canamicina. Diluente água para injeção. Continue lendo

VASCULITE PRIMÁRIA DO SNC – VASCULITE CEREBRAL

A Vasculite Cerebral também conhecida como Vasculite primária do Sistema Nervoso Central (SNC), é um termo utilizado para designar uma vasculite própria, primária, do sistema nervoso central (cérebro, tronco cerebral, medula e meninges), sem quaisquer manifestações fora do sistema nervoso, ou seja, sem sintomas ou sinais de outras partes do corpo, e com exames de inflamação colhidos do sangue todos negativos.

Há várias formas de vasculites secundárias, ou seja, causadas por outras doenças e que podem ter manifestações cerebrais, sendo estas muito mais comuns que a  Vasculite primária do SNC, tais como a síndrome de Sjögren, o Lúpus Eritematoso Sistêmico, a granulomatose de Wegener, a doença de Behçet; drogas como a cocaína e as anfetaminas; infecções como  meningites, vírus varicella-zoster; linfomas, leucemias, e a sarcoidose. Continue lendo