BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DE HIV / AIDS NO BRASIL 2016

RESUMO:

boletim-epidemio

Atualmente, o Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais lança dois Boletins Epidemiológicos ao ano. O primeiro, sempre em julho, apresenta dados referentes aos casos de hepatites virais no país. O segundo, e mais tradicional, apresenta e analisa informações referentes aos casos de aids em toda a população brasileira, inclusive em mulheres grávidas. Nesse último, há, ainda, dados sobre sífilis em gestantes e sífilis congênita.

O Boletim Epidemiológico HIV/Aids do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais (DIAHV), da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), do Ministério da Saúde (MS), publicado anualmente, apresenta informações e analises sobre os casos de HIV/aids no Brasil, regiões, estados e capitais, de acordo com os principais indicadores epidemiológicos e operacionais estabelecidos.

Atualmente, o HIV e a aids fazem parte da Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças (Portaria no 204, de 17 de fevereiro de 2016); assim, na ocorrência de casos de HIV ou de aids, estes devem ser reportados as autoridades de saúde.

De 1980 a junho de 2016, foram notificados no país 842.710 casos de aids. O Brasil tem registrado, anualmente, uma média de 41,1 mil casos de aids nos últimos cinco anos. Do ano 2000 – quando da implantação do relacionamento probabilístico dos dados – a junho de 2016, observou-se um total de 634.051 casos de aids, sendo que 445.763 (70,3%) foram notificados no Sinan, 47.586 (7,5%) no SIM e 140.702 (22,2%) no Siscel/ Siclom, estes últimos representando 29,7% de subnotificação no Sinan.

Além disso, observam-se importantes diferenças nas proporções dos dados segundo sua origem em relação às regiões do país. As regiões Sul e Centro-Oeste possuem maior proporção de casos oriundos do Sinan que o Norte, o Nordeste e o Sudeste.

Chamam a atenção os estados do Pará e do Rio de Janeiro, com apenas 49,4% e 58,4% dos casos oriundos do Sinan, respectivamente. A distribuição proporcional dos casos de aids, identificados de 1980 até junho de 2016, mostra uma concentração nas regiões Sudeste e Sul, correspondendo cada qual a 53,0% e 20,1% do total de casos; as regiões Nordeste, Centro-Oeste e Norte correspondem a 15,1%, 6,0% e 5,9% do total dos casos, respectivamente.

Nos últimos cinco anos (2011 a 2015), a região Norte apresentou uma média de 3,9 mil casos ao ano; o Nordeste, 8,6 mil; o Sudeste, 16,8 mil; o Sul, 8,7 mil; e o Centro-Oeste, 2,8 mil

De 2007 até junho de 2016, foram notificados no Sinan 136.945 casos de infecção pelo HIV no Brasil, sendo 71.396 no Sudeste (52,1%), 28.879 no Sul (21,1%), 18.840 no Nordeste (13,8%), 9.152 no Centro-Oeste (6,7%) e 6.868 na Região Norte (6,3%). No ano de 2015, foram notificados 32.321 casos de infecção pelo HIV, sendo 2.988 casos na região Norte (9,2%), 6.435 casos na região Nordeste (19,9%), 13.059 na região Sudeste (40,4%), 7.265 na região Sul (22,5%) e 2.574 na região Centro-Oeste (8,0%).

 

FONTE:

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS  2016 – www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2016/59291/boletim_2016_1_pdf_16375.pdf

hiv

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *