ALERGIA A ÁGUA – O QUE É URTICÁRIA AQUAGÊNICA

A Urticária Aquagênica, conhecida popularmente como alergia a água, é um tipo raro de urticária. Apesar de ser descrita como alergia, não se trata de uma reação alérgica com liberação de histamina, como as outras formas de urticária.

A Urticária Aquagência se trata de uma hipersensibilidade a íons encontrados na água não destilada. Nas pessoas susceptíveis, o contato com a água provoca urticária em 15 a 30 minutos após o contato.

Os sintomas provocados pelo contato da água, em pessoas susceptíveis, podem durar entre 30 a 1200 minutos e desaparecem espontaneamente.

A prevalência da alergia a água, ou urticária aquagênica, é maior no sexo feminino, especialmente durante a puberdade e pós-puberdade. Raramente tem sido associada com doenças sistêmicas como infeção por HIV e carcinoma de tireoide. Há relatos de coexistência com a síndrome de Bernard-Soulier (doença hemorrágica hereditária), o que sugere a possibilidade de associação com alteração genética, mas nenhum gene específico foi identificado até o momento.

Há pacientes que apresentam reação dependendo da salinidade da água: ou seja, podem apresentar reação com água da torneira, neve, água doce, porém podem nadar na água do mar sem apresentar urticária. Outros pacientes podem apresentar urticária somente em contato com a água salgada.


CAUSAS

A primeira hipótese da causa desta alergia surgiu em 1960, seria a de que a água reagiria com as glândulas sebáceas formando uma substancia tóxica que estimularia a degranulação do mastócito com liberação de histamina, o que desencadearia a formação das lesões.

Em 1981 uma nova hipótese sugeriria que uma repentina mudança na pressão osmótica dos folículos pilosos, conduziria a um aumento passivo da difusão da água. Essa mudança da pressão resultaria em urticária. Hipótese recente do autor Gallo e colaboradores seria a da existência de antígenos solúveis em água na epiderme que dissolvem-se e difundem-se através da derme resultando em liberação de histamina. Mas a hipótese mais recente de Luong e Nguyen de 1998 sugere um mecanismo completamente independente da liberação de histamina causando urticária.


DIAGNÓSTICO

O diagnóstico é baseado na história clínica de recorrência de urticária após a exposição à água com teste de provocação com água positivo. Este teste consiste na aplicação de tecido umedecido com água à temperatura ambiente por 20 minutos na pele. Se a urticária aparece após este período o teste é considerado positivo. É preciso diferenciar a urticária aquagênica da urticária ao calor, ao frio, por pressão e colinérgica, mas pode acontecer a associação de alergia à água com qualquer outro tipo de urticária física.


TRATAMENTO

O tratamento mais usual é a utilização de anti-histamínicos de segunda geração, que são considerados não sedantes, portanto não provocam sono, e com período de duração de ação maior que os de primeira geração. Pode ser utilizada aplicação de emulsões de óleo em água e petrolato em creme para banho. Fototerapia também pode ser utilizada como terapêutica.

 



COM INFORMAÇÕES DE:

Minha Vida

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *